Asfalto novo onde precisa e não onde o fluxo de veiculos é apenas local…

As eleições estão chegando e a cidade começa a receber a famosa ‘maquiagem’. O resultado disso já pode ser visto nas ruas, no radio, na TV e na propaganda partidária gratuita. Um dos itens de destaque neste cenário é o asfalto, que esta pela hora da morte, e vem sendo substituído em alguns bairros, o que é muito bom. Quem não gostaria de ter asfalto novinho na porta e no caminho de casa? Não tem para todos e o pouco que tem deve ser bem aplicado. As autoridade municipais precisam ficar atentas pois é possível perceber que tem asfalto novo onde não precisa e onde precisa ele não chega. Como ele é item de grande relevância, caro, escasso e disputado, devia ser usado nos corredores de grande circulação e não em vias de pouco fluxo. Sua aplicação com o objetivo meramente estético ou para atender metas regionais junto a empreiteiros, não é recomendável. Os exemplos revelam que os critérios parecem não seguir a lógica da racionalidade baseada na necessidade volume de tráfego, rotas e situação atual da pavimentação. São fartos os exemplos de mal uso do asfalto: A Rua Mato Grosso, por exemplo, tem trechos extremamente importantes como os quarteirões entre Av. Bias Fortes e Av. Do Contorno, que merece recapeamento de boa qualidade, uma vez que serve a toda a cidade. Já no trecho entre Av. Amazonas e Av. Barbacena, o trafego é apenas local e não teria por que ser substituído, especialmente se levar em conta que o piso anterior estava em bom estado. A Av. Candido Holando no bairro São Bento tem uma das pista bastante utilizada para veículos que sobem em direção a Av. Raja Gabaglia e que cujo o piso estava destruído. Já a pista em sentido contrario, entre o Colégio Santo Tomaz de Aquino e o inicio da Av. Prudente de Morais, são dois quarteirões fechados onde existe apenas um ponto de taxi e nenhum fluxo. Contudo, os dois lados e não só o mais utilizado foi recapeada. Os exemplos se sucedem em vários pontos da cidade e por isso os critérios para o uso do asfalto precisam ser repensados e melhor fiscalizados antes de ser aplicado. Fica a dica para a Sudecap.

 

José Aparecido Ribeiro

Consultor em Assuntos Urbanos

31 9953 7945

CRA MG 0094 94

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.