Cárcere arbitrário de jornalista completa uma semana.

Com a negação de liminar no pedido de Habeas Corpus do jornalista Márcio Fagundes a perplexidade aumenta, o que era angústia agora vira inquietação para os mais próximos, em especial para a família. Conhecendo ele, e sua altivez, torço para que não entregue os pontos… Centenas de pessoas, dos meios de comunicação, políticos, a própria justiça e de varias áreas estão chocadas com o cárcere injusto, precipitado e desnecessário que completa uma semana. Márcio não é criminoso e não precisaria ter sido encarcerado. O MP falhou GRAVEMENTE.

Os que não o conhecem foram comovidos pelos depoimentos daqueles que testemunham a favor do Jornalista. O sentimento de impotência e a angústia tomam conta dos amigos, e alguns estão indo além, ao se predisporem a trocar de lugar com o jornalista. No depoimento do economista e diretor de Mercado Comum, o empresário e presidente da Associação de Economistas de MG, Carlos Alberto Teixeira de Oliveira, é possível medir o tamanho deste desconforto que a prisão arbitrária está causando:

“Eu, Carlos Alberto Teixeira de Oliveira endosso todos os textos e depoimentos em favor do jornalista Marcio Fagundes, meu amigo há décadas e que foi diretor de Redação de Mercado Comum por mais de sete anos – não havendo nada que o desabone e, ao contrario, só se tem para enaltecê-lo. Coloco o meu nome e até mesmo a minha dignidade para substituí-lo nesta prisão arbitraria, até que os fatos sejam efetiva, e verdadeiramente apurados, considerando, para este fim, a importância de uma justiça equânime, que apure os fatos isentamente de acordo com os preceitos jurídicos e constitucionais vigentes neste país”.

Carlos Alberto sintetizou o que os amigos são capazes, e ninguém em sã consciência faria isso para um “criminoso”. A história, o comportamento, a vida simples e modesta, quase franciscana de Márcio Fagundes é unanimidade. Isso precisa ter algum valor para a justiça. Quem o conhece sabe que ele seria incapaz, voluntariamente, de cometer crime e em especial, apropriar-se de vantagens que pudessem significar enriquecimento ilícito.

Marcio recebeu a confiança do Ministério Público de Contas ao deixar a Câmara Municipal, passando pelo crivo da instituição, que investigou sua vida e não encontrou nada que o desabonasse. Recebeu carta branca para representar o MP na condição de Assessor de Comunicação. Sua história não pode ser em vão e a sua prisão precisa ter um fim URGENTEMENTE.

Chamo atenção para o fato de que ele tem consciência tranquila a ponto de abrir mão de advogados, indo voluntariamente em 2016 ao MP revelar o que sabia neste episódio. Confiou na justiça e jamais se furtou a responder qualquer indagação. Falou o que sabia, cumpriu sua missão de cidadão antes de servidor de confiança do MP. Ainda assim está sendo tratado como criminoso, que teve sua privacidade e dignidade violadas pela Polícia Civil na manha de terça passada dia 18/4.

Inexperiência, imaturidade, desejo de aparecer na mídia, ou existe algo mais que não sabemos? Na condição de amigo diuturno, assim como Carlos Alberto, também me pré disponho a trocar de lugar com o Márcio certo da sua inocência, desejoso de que justiça seja feita e que sua vida seja preservada, ainda que sua carreira tenha sido aniquilada pela imaturidade daqueles que conduziram as investigações e estão privando ele de liberdade, desnecessariamente.

José Aparecido Ribeiro
Jornalista, blogueiro no portal uai.com.br – osnovosinconfidentes.com.br
Colunista nas revistas Minas em Cena, Mercado Comum e Exclusive
DRT 17.076 – MG – 31 99953-7945 – jaribeirobh@gmail.com

2 thoughts on “Cárcere arbitrário de jornalista completa uma semana.

  1. Bom dia,
    hoje li sua matéria fantástica sobre o cárcere arbitrário e injusto do jornalista Márcio Fagundes, e tenho algo pra lhe dizer, hoje vivemos uma realidade temerária, vivemos a era dos justiceiros e prendemos por nada, por meras especulações e falácias. Sinto na pele essa dor, meu marido advogado criminalista, há mais de dez anos, homem honesto, justo, bom pai, bom marido e preso há 07 meses…eu também advogada…tenho lutado incansavelmente contra essa “justiça”.
    Creio que, graças à Lava Jato que muito fez pelo nosso país hoje deu forças para qualquer delegado, promotor e juiz colocarem e manterem atrás das grades pessoas por qualquer motivo, sem justificativas plausíveis e ainda ouvir do Judiciário tanto mineiro quanto o de Brasília que aqueles seres humanos que conhecemos, que são incapazes de fazerem mau são criminosos e merecem ficar na cadeia.
    Também atuo na área criminal e sei que todos os dias colocamos na rua os reais criminosos, pessoas com ficha extensa, passagens por homicídios, tráfico, porte de armas, pedofilia…criminosos de colarinho branco também devem ser colocados atrás das grades, mas acima de tudo sou a favor do devido processo legal, de que quando não há provas a pessoas tem o direito, no caso de advogados, a prerrogativa segundo o Estatuto da OAB, de ficarem em domiciliar, mas que atualmente nada tem validade.
    Bem vindo a minha realidade, há 216 dias peço a Deus para que me dê forças para continuar.
    Desejo que Márcio possa sair dessa situação e que nós enquanto espectadores dessa situação tenhamos peito de gritar nossas mazelas e dizer a todos que: EXISTEM PESSOAS INOCENTES PRESAS INJUSTAMENTE!!!
    Provavelmente seu amigo agora está no CERESP/GAMELEIRA local onde provavelmente ele esta fazendo suas necessidades fisiologicas em um marmitex da sua última refeição….sei que é pesado, mas é a realidade do sistema prisional…
    Só por mera informação legal, seu amigo daqui uns dias vai parar no COMPLEXO PENITENCIÁRIO NELSON HUNGRIA, local em MG, que abriga uma “cela especial”, que se encontra super lotada, e seu amigo vai dormir no chão com um pequeno colchão de solteiro e uma leve coberta nesse frio, receberá as piores refeições da vida dele e viverá momentos de verdadeiro inferno na terra.
    Ore, peça à Deus clemencia e que abra os olhos dos julgadores e que ele se livre dessa logo, logo…
    Abraços e força!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.