Desabafo de um engenheiro aposentado da SUDECAP, um dia após a chuva que alagou BH.

O desabafo é de um engenheiro aposentado da SUDECAP, feito em uma rede social. Ocorreu no sábado dia 17/3, um dia depois da chuva que caiu na tarde de sexta feita na cidade de Belo Horizonte e desnudou, mais uma vez, a incapacidade de resposta das nossas autoridades a eventos que ocorrem e que não deveriam ser surpresas. Nenhuma autoridade pública se manifestou após o evento. O silencio sobre este e outros assuntos sérios que envolvem o governo municipal, com destaque para o trânsito é INACREDITÁVEL. Silêncio não deveria ser resposta para algo tão sério como o que a cidade vivenciou na última sexta feira.

DEPOIMENTO DE UM ENGENHEIRO APOSENTADO QUE TRABALHOU DÉCADAS NA SUDECAP.

“Meus amigos, quem está assistindo o MGTV como eu deve estar se perguntando: Cadê o prefeito, cadê o secretário de obras e finalmente cadê a superintendente da Sudecap? Na nossa época após uma tempestade como essa a Sudecap imediatamente se manifestava até antes do prefeito. Mas hoje é um silêncio total e inexplicável para não se comprometer. Eta cidade infeliz, parodiando o grande poeta português: Oh têmpora, oh mares. E já não se fazem sudecapianos como outrora. Que saudade da nossa Sudecap que não se escondia numa situação como essa… Enfim !”

O engenheiro aposentado da SUDECAP é de um tempo em que os recursos eram menores, mas os compromissos, a garra dos políticos e servidores públicos eram dignos e exemplares. Hoje a cidade para por qualquer motivo: chuvas, manifestações, acidentes no Anel Rodoviário etc, e ninguém se manifesta. Não se tiram lições dos acontecimentos. Vale a tese de que devemos viver um dia de cada vez. “BH, deixe a vida te levar, vida leva eu”… Eu, você amigo leitor e todos que não sabem para onde correr ou a quem reclamar no meio do caos. Não há responsáveis, a omissão não tem consequências, e cai no esquecimento.

A perda de tempo, a poluição, os prejuízos são contemporizados e tudo segue em silencio, como bem soube destacar o engenheiro. BH está se acostumando com a mediocridade. Vivemos em uma metrópole que trata assuntos sérios de modo provinciano, amador. Uma cidade à deriva de políticos acomodados, inexperientes, fanfarrões, “donos da verdade”, servidores cúmplices, acomodados, desmotivados, alguns preguiçosos que esperam por aposentadoria. Para os que me criticam, não sou eu quem está dizendo, é um servidor, engenheiro respeitado que assim como eu manifesta sua indignação, com razão. De certo será ao vento, mas não deve deixar de ser registrada.

José Aparecido Ribeiro
Blogueiro no portal uai.com.br – Jornalista – DRT 17.076-MG
Consultor em Assuntos Urbanos – 31-99953-7945
jaribeirobh@gmail.com

29 thoughts on “Desabafo de um engenheiro aposentado da SUDECAP, um dia após a chuva que alagou BH.

  1. Olha aí, José Aparecido, o ‘Kalil’ disse que a nova rodoviária é ‘aberração absoluta’…

    Ele, o ‘Kalil’ prefere que aqueles terrenos sejam invadidos, virem aquela favela, e depois ele apareça pra tirar fotos junto com aquele ‘povão’ com bandeiras do Psol e do Mtst.

    R$ 40 milhões em desapropriação vão pro ralo.

    A cidade continuará com aquele inferno de tráfego, principalmente nos feriados.

    O boneco ‘Kalil’ continuará lá. Desmoralizado.
    Porém, servindo pra ser malhado pela população ensandecida.

    Belo Horizonte não tem prefeito. Tem boneco.

  2. O boneco de Olinda que se intitula – prefeito, e que Belo Horizonte não tem, somente para constar declarou para a imprensa que a rodoviária, ao lado do Anel Rodoviário, no Bairro São Gabriel, ‘é uma aberração absoluta’.

    Alguém, de preferência um parvo assessor deste, poderia orientá-lo.

    ‘Aberração absoluta’ é a pseudo-administração que ele pensa que executa, afinal de contas, prefeito não é.

    Belo Horizonte não tem prefeito. E a cidade está abandonada.

  3. Só sei de uma coisa: A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO! A CIDADE DE BELO HORIZONTE ESTÁ A-BAN-DO-NA-DA! E NÃO TEMOS PREFEITO!

  4. As considerações são todas válidas, mas o problema de enchentes e alagamentos são complexos, assim como vários outros das grandes cidades. A crítica pode e deve ser feita, porém deve vir acompanhada de reflexão e, se possível, de soluções. Ou, pelo menos, de caminhos.
    Há uma acúmulo de demandas represadas (desculpem o trocadilho) ao longo dos anos e das administrações anteriores, escassez de recursos de todo tipo (dinheiro, de ideias, capital humano, capacidade laborativa, etc.), e especialmente de planejamento estratégico governamental. Sem este último, tudo é imediatismo! Sem um bom planejamento estratégico a Administração Pública (e também a população) fica desnorteada, sem saber o que fazer e como se portar diante dos problemas, quaisquer que sejam, não importando o tamanho ou a extensão dos mesmos.

  5. É tão fácil culpar os outros! Assumam que vcs põe lixo na rua, não reciclam, cimentam em volta das árvores, reclamam do trânsito e pedem avenidas mais largas ! Querem mágica? Usem transporte público! Ah não tem qualidade! Córregos foram tamponados para melhorar a capacidade de fluxo de carros nas avenidas ! As galerias tem sofás dentro! Vamos assumir que a culpa é nossa povo miserável e burro! Quem elegeu todos os prefeitos ? Nós imbecis! Invadimos e ocupamos espaços públicos! Não respeitamos a mata ciliar! Assumam que somos um povo de merda! Se queremos mudança comecem com cada um de vcs! Ignorantes! Sofremos por culpa de vcs! Imbecis que não sabem nem votar! Escolham direito! Se mobilizem! Finjam que é carnaval! Elevaram o carnaval de bh a um nível de excelência! Nunca foi produzido tanto lixo! Encheram a cara de cachaça! Vão protestar com decência! Parem de apontar o dedo pros outros e tratem de começar a solucionar nossos problemas! Assumam que nada fazem pela cidade !

  6. É tão fácil culpar os outros! Assumam que vcs põe lixo na rua, não reciclam, cimentam em volta das árvores, reclamam do trânsito e pedem avenidas mais largas ! Querem mágica? Usem transporte público! Ah não tem qualidade! Córregos foram tamponados para melhorar a capacidade de fluxo de carros nas avenidas ! As galerias tem sofás dentro! Vamos assumir que a culpa é nossa povo miserável e burro! Quem elegeu todos os prefeitos ? Nós imbecis! Invadimos e ocupamos espaços públicos! Não respeitamos a mata ciliar! Assumam que somos um povo de merda! Se queremos mudança comecem com cada um de vcs! Ignorantes! Sofremos por culpa de vcs! Imbecis que não sabem nem votar! Escolham direito! Se mobilizem! Finjam que é carnaval! Elevaram o carnaval de bh a um nível de excelência! Nunca foi produzido tanto lixo! Encheram a cara de cachaça! Vão protestar com decência!

  7. Onde está o Prefeito da cidade que não se manifestou sobre estes assuntos. Falou que iria cuidar da cidade, mas nada fez para melhorar as vias , qualquer chuvinha que cai é um verdadeiro Deus nos acuda. Falou que iria tirar os engravatados dos gabinetes colocando-os junto com a população nas ruas e nas regionais para resolver os problemas in loco. Até agora nada foi feito.

    1. Ana,o comentário do Alex Souza é correto e demostra conhecimento da região,um vale que recebe as águas de vários bairros do entorno e que ao canalizarem o córrego do onça aumentaram o problema.O transtorno para solucionar o problema para os moradores,comerciantes e usuários da Av. Cristiano Machado será muito grande.O trânsito será desviado para a Av. Pedro I e Av. Antônio Carlos,parando a cidade totalmente.O atual Prefeito pode tentar minimizar o problema,solução definitiva estará nas mãos dos sucessores.

  8. As árvores não são podadas há anos.Tem milhares de galhos pendurados por toda parte.
    A população não colabora, manda cimentar em volta das árvores. O lixo campeia por toda parte e entope as bocas-de-lobo. É garrafa para todo lado (em qualquer parte do mundo são recicladas).
    A Cemig guilhotina os galhos das árvores para passarem os fios de alta tensão. Fica uma vazio no meio e quando chega a chuva é um tal de cair galho (e árvores)por toda BH.Os córregos e rios foram cimentados e escondidos debaixo da terra. E quando chega a chuva…..Dizem que é “Deus quis assim”. Que Deus é este?

  9. Entendo o o desabafo da pessoa aposantada da SUDECAP.
    De fato, os funcionários públicos de carreira sentem a falta ou a pobreza das lideranças à quais são submetidos ao longo das administrações públicas. Como
    espectadores sentimos falta “cara” das empresas públicas e do lider escolhido, para se comprometer com uma proposta. Sem vimitizar o colega apostado, o corpo de uma empresa pública sempre se envorgonha dessas ocorrências, visto que o plano de governo gira no 1º escalão. E os funcionários públicos são colocados no “Coliseu” e sim: há pão e circo para os pobres de espírito.

    Estar do outro lado da bancada, pode abrir o bom senso de todos, é só se colocar no lugar de seu próximo.

  10. A pedra de toque, carro chefe das desculpas de sempre, continua sendo a mesma há anos: “estamos realizando um estudo hidrológico da bacia do córrego tal”…
    Todo ano é a mesma conversa fiada e os estudos nunca ficam prontos. Todos já foram notificados desses problemas em Belo Horizonte: SEDEC/DF, CEDEC/GMG, COMDEC/BH, PBH, CMBH, ALEMG…
    A turma adora mesmo é distribuir colchão,cobertor e cesta básica. Faturam alto em cima do socorro emergencial, discursam em torno do mapa de riscos e, durante a normalidade, nada fazem para prevenção dos eventos adversos e desastres naturais.
    Deveria haver algumas placas homenageando os incompetentes: “essa tranqueira foi projetada e executada pelo Sr Lambão com as bênçãos dos incompetentes governos de fulano, sicrano e beltrano”.
    A zebra roxa que projetou o trecho canalizado do Córrego do Onça, para ficar só este exemplo, por ocasião da edificação da Linha Verde entre a Avenida Sebastião de Brito e Estação do Metrô São Gabriel sabia que as inundações eram previsíveis ali; um volume imenso de água descendo desde a Lagoa da Pampulha nunca caberia naquele estreito canal.

    1. A cada enchente,criam-se comissões e mais comissões para discutir o problema. Solução prática nenhuma.

    2. Os projetos deveriam demorar mais tempo para serem estudados e memitidos, da que a própria obra em si.

      O risco de erros em projetos e nos custos de um serviço é alto e quem paga a conta somos nós.

      Somos vitimas diretas e indiretas de projetos mal feitos e batatos.

      Um barato que sai caro com revisões e pressão politica.

  11. Bem, se voltássemos no tempo poderíamos fazer a pergunta aos engenheiros da Sudecap: por que canalizaram os rios em lugar de deixá-los correr mais livremente?

    1. Senão, você, com essa “conssiênxia” toda, não poderia circular pelas ruas outrora canalizadas, com seu lindíssimo SUV.

  12. Realmente, como dito em outros comentarios, os problemas vem de administrações passadas, mas quando a atual gestão assumiu já sabia da existência de tais problemas. Ou mudaram para BH somente depois de assumirem os cargos? Não vemos e nem temos noticia de plano para atuação em caso de urgencia e emergência. Nestes casos tem que haver um responsável, alguem que responda e leve à populaçao uma solução imediata. Que dê respostas aos cidadãos. O que parece é que fazer isto é um favor que estão fazendo, mas não, isto é obrigação. Pagamos impostos por obrigaçao e queremos de volta o que é nosso por direito.

  13. Ao meu ver, a maioria da população não se dá conta do descaso com que a cidade é tratada.

    No caso das tragédias que ocorrem nos períodos de chuva, são vistas apenas como causa natural. A falta de informação, de interesse, e atitude da sociedade, é um facilitador para que os órgãos ditos “competentes”, continuem inertes, e desobrigados de mostrar a cara!

  14. Apareceu quem estava à frente das obras que tamparam córregos e rios da nossa cidade para que fossem feitas avenidas. Se tivesse sido bom de serviço mesmo teria mantido o leito dos rios originais e ainda arborizado uns 15 metros a partir de cada margem.

  15. esperava mais deste prefeito , mas infelizmente o lance dele e ta ruim ele vai passear de onibus conta umas piadas e os bocoio aplaude acao que e bao nada

  16. Falar o que os outros não fazem é mole. Agora mostra o que fez enquanto estava lá? Acho que tambem não fez nada porque os problemas são sempre os mesmos de decadas e decadas atras.

    1. É um problema crônico em várias regiões de BH e que não será resolvido em uma só gestão.O alagamento da Av. Cristiano Machado na altura da estação primeiro de maio,será preciso de muito dinheiro e tempo para ser solucionado,porém o primeiro passo deve ser dado para que se inicie uma obra que resolva o problema.

  17. Lembrando que as mesmas pessoas que estavam envolvidas no desabamento do viaduto hoje tem cargos de chefia na Sudecap. Podem pesquisar (pelo Diário Oficial do Município- DOM).

  18. Basta vermos a cratera aberta no Santa Lúcia. Vamos para 72 horas de um estrago que é evidentemente uma emergência, colocando vidas e patrimônio de pessoas em risco, sem que a SUDECAP tenha sequer iniciado os serviços de reparos. Pelo jeito ninguém trabalhou no domingo, e nesta segunda disseram que vão analisar o que será feito….

  19. Prezado José Aparecido, boa tarde!

    Hoje eu estava justamente comentando disso com amigos que trabalham na mesma empresa. Onde estão as autoridades? Cadê os responsáveis pela cidade? Será São Pedro o grande culpado pelos estragos? Não sei bem em que época você trabalhou na Sudecap, mas o que está aí são heranças de outros tempos ou apenas incompetência da atual gestão?

    Fábio Miranda

  20. Realmente o que irrita é essa inércia do poder municipal. Os servidores sempre estiverem à frente das soluções dos problemas da cidade. Agora, relegados a outro plano não tem nem como se manifestar porque o poder de mando foi entregue a pessoas completamente alheias ao problema que não tem compromisso com a cidade. Desde que me entendo por gente os servidores municipais dedicaram, mesmo com salários baixos, a servir a cidade.

  21. Não apoio a postura dos atuais dirigentes da cidade, mas também não concordo com este “desabafo” simples e pouco profundo. O que temos de problemas hoje em BH não é culpa apenas do atual prefeito (não votei nele), mas sim das gerações anteriores da Sudecap, da Prefeitura e secretários de obras. Faça pelo menos sua mea-culpa, seja honesto com o passado. Você certamente teve a oportunidade de fazer e se o fez, o fez muito mal feito. Esta é a verdade. Estamos nas mãos de calangos há muito tempo viu, não é de hoje.

    1. Exatamente. Criticar sem propor nada? Qual a solução proposta? Ir pra TV e contar uma mentira? Que não vai mais acontecer? A impressão que deu é que o trabalho da “boa sudecap do passado” era uma ter um bom porta voz pra consolar a população através da imprensa.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.