Magistratura: salários legais e justos, penduricalhos imorais.

A semana foi marcada pela revelação por meio da internet de uma lista com os salários dos magistrados do TJMG. Indignações à parte, todas inúteis, em que pese à gravidade do tema, o fato é que tem juiz ganhando mais do que o dobro do teto constitucional que é de R$33 mil. Tudo legal, mas para muita gente, e eu não sou feito de outro material, de uma imoralidade desmesurada, que espanta e deveria revoltar.

Os “penduricalhos” são os culpados, isso fica explicito na “lista”. Eles costumam ser mais do que o dobro dos proventos, engordando os vencimentos que passam na maioria dos casos de R$60 mil. Um belo e portentoso salário que deixa gregos e troianos com inveja. Quem não gostaria de estar na “lista” do TJMG, a dos salários? Se seu desejo é esse, mude de profissão, vire concurseiro e vá a luta, mas vá armado com memória de elefante, disfarçadamente.

Sabe-se que o “vazamento” revelador da “lista” não dará em nada, é mais uma gota em um copo que não transborda e que não tem fundo, vai crescendo de tamanho, não se sabe até quando. Com efeito, ninguém é contra salários dignos para magistratura, afinal juiz trabalha muito e precisa ser bem remunerado para desempenhar com diligencia uma das causas mais nobres que existem, a de fazer valer a justiça, as Lei e o que manda a Carta Magna (Constituição).

Para isso é necessário talentos especiais, aptidão, sensibilidade, inteligência acima da média, disciplina e uma vida de dedicação aos estudos para conseguir um lugar ao sol. Mais do que justo ganhar bem e ter muitas regalias, no teto. Diferente de políticos que não precisam de qualificações específicas, pré-requisitos ou aptidões. Basta um pouco de lábia, um caminhão de dinheiro, um partido, e o voto de incautos. E isso no Brasil, tem de sobra, é a maioria.

Com raras e honrosas exceções a maioria deles, e os fatos não nos deixam mentir, não poderiam nem passar perto da coisa pública. São desqualificados, inabilitados, incapazes para exercer a política. A democracia, segundo o Filósofo “Platão, Sec. IV a.C,” possui vicio de origem ao permitir a “qualquer um”, o que não é recomendável para qualquer um. Sempre foi assim, e continuará por muito tempo, pois quando o tema é reforma política segue-se ignorando as motivações, prevalecendo a vontade do povo apenas, que vem reafirmando sua ignorância no uso do voto

Em relação aos magistrados, causa espanto o fato de defenderem que a “Lei do teto dos salários” seja cumprida para as demais categorias de servidores, incluindo o legislativo, o executivo e todos os profissionais que são remuneradas pela máquina governamental, seja ela municipal estadual ou federal. É mais ou menos a máxima: “faça o que eu falo, mas não faça o que eu faço”. “Pau que dá em Chico, deveria dar também em Francisco”, menos no Brasil.

Tenho consciência plena e peço desculpas antecipadas aos meus amigos magistrados exemplares, cuja carreira sou testemunha, e lembro a eles que a “arraia miúda” é quem define os rumos da Nação, e ela está ocupada com o futebol, religiões, com o carnaval e com a “dança dos famosos”. Nada e nem ninguém levará adiante indignação suficiente para uma reforma geral na máquina publica, incluindo o judiciário com os seus privilégios. Sei que meu lamento é apenas uma conversa inútil, para desopilar, e espero que eles compreendam…

José Aparecido Ribeiro
Licenciado em Filosofia e blogueiro – blogs uai.com.br – SOS Mobilidade Urbana
31-99953-7945 – jaribeirobh@gmail.com

5 thoughts on “Magistratura: salários legais e justos, penduricalhos imorais.

  1. Se estamos falando de salários por competência e dedicação…. “Com efeito, ninguém é contra salários dignos para magistratura, afinal juiz trabalha muito e precisa ser bem remunerado para desempenhar com diligencia uma das causas mais nobres que existem, a de fazer valer a justiça, as Leis e o que manda a Carta Magna (Constituição).”
    Tenho amigos e parentes também magistrados .Merecem receber pela importância etc, etc.
    Mas, não se esqueçam que os salários mais injustos são destinados aos mesmos estudiosos, dedicados , talentosos ,aos responsáveis pela educação e formação desses magistrados,e outros pela saúde, por tratar e salvar vidas desses mesmos magistrados e não são valorizados como deveriam.
    Médicos dedicam a alma, ficam longe de filhos, família, precisam de igual talento e estudar dia após dia.

    A disparidade salarial e a desvalorização de profissões tão importantes quanto,atinge muito mais do que aqui se compara!
    Vai muito mais além do despreparo de grande parte dos políticos aqui comparados também com os que merecem ganhar por mérito!Nao só os juízes ou aos de igual responsabilidade , temos que respeitar. Lembro aqui dos esquecidos por não sustentarem em sua grande maioria cargos em destaque nesse momento , pois raramente fazem parte do PODER público.

    Educadores , médicos e inúmeras profissões aqui não mencionadas exigem também talentos especiais, aptidão, sensibilidade, inteligência acima da média, disciplina e uma vida de dedicação aos estudos para conseguir um lugar ao sol. Não vejo ninguém ganhar bem e ter muitas regalias.
    Parabéns pelo artigo que aponta o desrespeito aos profissionais que trabalham com competência!

  2. Assim como um outro seguidor “vou continuar lendo e aprendendo com suas postagens”!
    Da mesma maneira que a lista com os salários dos magistrados do TJMG causaram me indignação, outro absurdo deixou me estarrecida! A USP está contratando Professor Doutor com salário de R$1.233,00 e Mestre com salário de R$881,61!
    Enquanto aceitarmos essa realidade como natural, reforçaremos a distorção de valores!
    Motivada pelo seu Blog, tenho refletido muito sobre os últimos episódios ocorridos em nosso país. E cheguei a conclusão de que o povo brasileiro não é um povo pacifico, o brasileiro é omisso.
    Sonhamos com um Brasil muito melhor e justo, mas o que temos com o nosso consentimento, é um país que se afunda cada dia mais!
    Lima Barreto já dizia que: ” O Brasil não tem povo, apenas público. Povo luta por seus direitos, público só assiste de camarote”.

  3. Como sempre, vejo muita clareza e verdade na matéria de hoje. Algo que desanda com a boa prática da política realmente é o fato de não se exigir qualquer preparo para o exercício do cargo, entendo, embora utopia, que conceitos de política deveriam ser disciplina curricular nas escolas e, caso o pretendente deseje seguir a carreira, deveria ter curso superior sobre a matéria, para só então postular o cargo mediante o voto popular. Quanto à “arraia miúda”, faço uma observação, assim como políticos e magistrados, existem religião e religiões, cada um que busque a sua, ou nenhuma, caso prefira, eu não generalizaria, absolutamente. Quanto ao resto, assino embaixo. Vou continuar lendo e aprendendo com suas postagens.

  4. Nossa vc falou tudo ! Fala-se tanto na reforma política mas pelo que vejo essa reforma só passa pelos assalariados . Na minha opinião essa reforma deveria partir de cima para baixo. Tenho parentes magistrados e sei que para conseguirem seu cargo tiveram que ralar . Noites de estudo , viver longe da família para trabalhar em outro local e muitas vezes horas de trabalho ineterrupto . Mas os penduricalhos não só nos magistrados como também nos políticos desse país é que estão afundando o país é como você bem disse é apenas um desabafo pois essa situação não vai mudar , vão esquecer rapidinho . Mas você como jornalista fez a sua parte mais uma vez colocando na mídia as desmedidas desse país chamado Brasil .

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.