O clima está cada dia mais hostil e as autoridades esperam milagres.

As tecnologias de monitoramento geoclimaticas permitem prever o que vai acontecer com o clima no mundo inteiro. Com precisão de minutos satélites conseguem rastrear furacões, tempestades, e nos dizer onde vai chover ou ter sol brilhante e até saber quando as chuvas irão cair e em que intensidade.

Porém, nada como a presença ao vivo, que permite aos olhos e ao corpo ver e sentir para perceber os efeitos do clima. O feriado está sendo marcado por clima extremante quente e secura poucas vezes vista em MG. De passagem pela região de furnas não imaginava que os efeitos pudessem ser tão impressionantes. Frequento a região de Capitólio há muitos anos e nunca tinha visto o lago tão vazio.

O longo período de estiagem aliado a abertura das comportas de Furnas para a geração de energia elétrica, está provocando esvaziamento poucas vezes visto. Olhar para um lago das dimensões de Furnas, e ao mesmo tempo para o céu sem nuvens e um calor que passa de 35 graus é assustador.

Se não tem o poder de fazer chover, o governo de Minas deveria admitir que algumas regiões do estado estão incluídas na “mancha” de regiões que passam por ciclo de seca em curso, e que deveria preocupar as autoridades. Considerado a Caixa d’agua do Brasil, MG está completamente seca. O Rio São Francisco perece. Sua nascente na Serra da Canastra carece de chuva urgente, pois a aridez tomou conta da região e não há indícios de chuvas tão cedo.

O uso racional da água já deveria ter sido incorporado nos hábitos cotidianos. Infelizmente apenas alguns compreendem e praticam economia. O risco é de todos, e não custa lembrar que há indícios de que uma das civilizações mais avançadas da história, o Maias, que viverem na península de Yucatán no México foi extinta graças a um ciclo de seca parecido com o atual. Evidente que os recursos para migração eram limitados, mas o alerta deve servir para que autoridades e sociedade adotem comportamentos preventivos e prudentes para o uso cosciente da água,antes que seja tarde.

José Aparecido Ribeiro
Jornalista e Consultor em Assuntos Urbanos.
DRT 17.076 – MG
Blogueiro no Portal uai.com.br
jaribeirobh@gmail.com – 31-99953-7945

3 thoughts on “O clima está cada dia mais hostil e as autoridades esperam milagres.

  1. Poços artesianos podem acabar com nascentes distantes do lugar onde foi perfurado porque os rio subterrâneos são imensos a julgar que a água de uma mina dágua cai ininterruptamente a cada dia do ano.

  2. “E somado a essa crise de quantidade de água, teremos uma crise de qualidade. Não se planejou segurança hídrica, não se tratou esgoto, não se vê uma estratégia para o saneamento no país. Não é só um problema climático. A seca faz parte de variação climática, de eventos que acontecem a cada intervalo de décadas. Mas seus efeitos tem a ver com a forma como os governos tratam essa questão.”
    Ótimo alerta!
    Parabéns pelo artigo!!

  3. Tenho uma casa no povoado de Porto dos Mendes, o lago de furnas já desapareceu há algum tempo, o que nos restou por enquanto é o Rio Grande correndo em seu leito.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.