Psicologia do Folião na crise, as véspera do carnaval.

O Brasil é mesmo um país emblemático. O comportamento do brasileiro foge a compreensão e ao princípio da razoabilidade. Explico:
Como contar para sociedades civilizadas e aos que, mesmo aqui, não perderam a sensatez, o poder do carnaval no inconsciente coletivo nacional. O país está atolado em uma crise sem precedentes com mais de 22 milhões de pessoas sem ocupação; guerra civil no ES; penitenciárias medievais explodindo e revelando a incompetência da justiça, expondo a ineficiência da máquina pública; vereadores, deputados, senadores, prefeitos, governadores e até o presidente da república envolvidos em falcatruas.
Mesmo assim, faltando ainda 10 dias para o carnaval o clima de festa já tomou conta do país de ponta a cabeça. Milagrosamente todo mundo esquece dos problemas e se prepara para cair na folia. Veja o exemplo do Rio de Janeiro, quebrado sem governador, sem rumo, devendo até a alma do carioca, atolado até o pescoço em episódios  inimagináveis de desvio do dinheiro público, e tudo de repente fica  secundário, perto do principal E MAIS IMPORTANTE: O BENDITO CARNAVAL.
Que poder é esse que uma festa popular tem sobre a razão humana em um país pobre, depauperado, e sem norte? Não seria o caso de protestos ao invés de folia? Até quando carnaval e futebol serão promovidos à categoria de essenciais, indispensáveis na vida do brasileiro? Que infantilidade é essa capaz de aprisionar o povo no universo lúdico, comprometendo sua faculdade de eleger prioridades? Que mágica louca é essa? Lembro ainda e encerro por aqui, são eles os mesmos convocados para juízes da democracia, de 2 em 2 anos. Isso explica quase tudo!
José Aparecido Ribeiro
Licenciado em Filosofia – BH/MG
31-99953-7945
Autor do Blog SOS MOBILIDADE URBANA.

7 thoughts on “Psicologia do Folião na crise, as véspera do carnaval.

  1. … No fundo, maioria escolhe os representantes, então … maioria é conivente, sim!
    O substrato moral desse país e controlado por empresas de publicidade. Elas respondem, então, aos indicios de mal caratismo da população. Ato seguinte é espelhar as intenções em campanhas de bebidas e toda a sorte de textos e mercadorias que apontem para sexualidade.
    Carro chefe desse padrão é o RJ … cidade de população dominada e submissa ao monstro que construiram, com desleixo social e nenhum senso de cidadania.
    BH é alvo atual e cabe as associações mesmo que ávidas por dinheiro das cervejarias, se movimentarem alnhadas com os direitos dos moradores do centro da cidade, que são, na verdade os que pagam o preço pelos abusos.
    Temos que tirar o controle dessa minorias, vingativas, acéfalas, permissivas, que so fazem nos envergonhar. O controle deve ser da maioria e, assim sendo, representada por pessoas comprometidas com cidadania, respeito e bem estar social.
    Chega de minorias decidirem o rumo da cidade.

  2. Creio que nós, brasileiros, já nos acostumamos com as esculhambação. Obscenidades no Congresso e nas Câmaras de todo o país ocorrem desde sempre o ano inteiro, o Carnaval pelo menos é 1 vez só por ano, daí o fato de quererem aproveitar, creio eu.

    1. Prezado, o carnaval aqui nesse lixo de sociedade, são TODOS os dias !!! … entendi sua intenção, mas é a continuidade e o “vicio” nele que nos adoece como nação, a cada dia. Nosso país envelhece (porque taxa de natalidade, graças a Deus, diminui …) mas envelhece mal, muito mal … e assim como para nós, o futuro do País chega mais rápido, a cada ano … e na velhice precisamos de “recursos financeiros” e não os tendo adquirido, triste fim espera por nós …
      Em tempo: a obscenidade começa em casa, vai para a escola e se escancara nas folias populares, Brasil afora.

  3. Isso é deveras preocupante! Todo ano o povo se enebria com a festa pagã; e o ano todo com o espetáculo das bolas nos gramados! O circo é ofertado ao povo brasileiro em doses cavalares, para que ninguém se preocupe com o que realmente interessa na vida: trabalho e vida digna para todos. Enquanto o povo se esbalda nessas festas; os políticos afanam os recursos públicos e, mais que isso, a esperança de dias melhores para a nação brasileira!

  4. Compartilho totalmente da sua opinião. Nosso país cai aos pedaços e o povo está ocupado com festas populares, religiosas e eventos esportivos. Preocupadíssimo com quem vai jogar no seu time este ano e sedento pelos campeonatos, como se nada estivesse acontecendo. Chega a ser chocante, e mostra claramente a alienação do povo graças à política do pão e circo em que estamos inseridos.

  5. Perfeito! Num país completamente destroçado o povo continua a hiper valorizar o futebol e o Carnaval como patrimônios nacionais.
    A nossa cultura do “no final tudo dá certo” aliada ao “jeitinho brasileiro” tem levado o país a um abismo sem fim.
    A maior carga tributária do mundo e serviços públicos miseráveis, mas o importante é que o brasileiro é um povo que não desiste nunca! E com este discurso vamos forte rumo ao fundo do poço…

  6. Quanta sensatez! Difícil ler uma opinião coerente assim na mídia de hoje! Penso o mesmo, é impressionante a capacidade que o brasileiro tem de aceitar (e a mídia de empurrar) o conceito de que futebol e carnaval são itens de primeira necessidade!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.