Vai embarcar em Confins? Então prepare o tenis e o fôlego!

A reforma do Aeroporto Internacional de Confins, que fica em Belo Horizonte, ou melhor, que serve a capital de Minas Gerais ficou digna de primeiro mundo. Tudo perfeito, não fosse a distância entre o balcão de check-in das cias aéreas e os portões de embarque. As caminhadas exigem fôlego, preparo físico e atenção para não perder o vôo.

O tempo de deslocamento do check in da TAM, por exemplo, e o portão 33 é de aproximadamente 30 minutos. Para as mulheres de salto ou pessoas portadoras de “faceite plantar” como eu, a caminhada vira martírio, mesmo usando tenis. No trajeto existe apenas uma esteira que não tem mais do que 30 metros, e deve ter sido construída apenas para cumprir tabela. No popular, “para não dizer que não falei das flores”. Não resolve nada, diferente por exemplo das esteiras do aeroporto de Brasília.

No mundo inteiro os portões de embarque ficam longe, mas há carrinhos elétricos para os que não podem caminhar longas distâncias, ou esteiras que encurtam a caminhada. Não vi carrinhos em Confins e eles são indispensáveis nesta nova configuração do aeroporto que cresceu lateralmente, “de cumprido”, mineiramente falando. Lembro ainda que em dois aeroportos da europa que fazem parte do grupo BH Air Port, Zurich e Munique, os carrinhos existem e funcionam maravilhosamente bem. Por que não aqui também?

Outro problema crônico que não é apenas do aeroporto de Confins, mas de todos os aeroportos brasileiros, e que salta ao olhos, é o preço de alimentação. Caro e de baixa qualidade. Pagar por um pão de queijo, por exemplo, que cabe na palma da mão R$6,00 não é razoável. Uma bala “mentos” que custa R$2,00 em qualquer padaria, nos pontos de venda do aeroporto custa R$6,00. Regra geral os preços são pelo menos 3 vezes mais altos do que fora do aeroporto. Diferente de um shopping, a alternativa mais próxima fica a algumas milhas de distância.

Antes que me chamem de “mão de vaca” ou mineiro “munheca”, lembro que encontra-se passagens entre BH e Brasília por R$150,00. Ademais, não é o valor em si, mas a sensação de estar sendo explorado que causa desconforto, e ninguém gosta, mesmo para os que têm dinheiro sobrando. Até por que, dizem que dinheiro não aguenta desaforo.

Paga-se taxa de embarque cara, percorre-se 50 km para chegar em Confins, se for de carro, o estacionamento vai consumir mais R$40,00 por dia; de taxi, ida e volta a bagatela de R$240,00. De bus, R$52,00. E não podemos esquecer que as bagagens agora viraram fonte de receita para as cias aéreas.

Ou seja, embora eventualmente encontra-se promoções, no geral viajar de aviao no Brasil, não é barato. Portanto não é também por acaso que as empresas aéreas operam no vermelho. Com efeito, seria prudente e recomendável a BH Air Port, concessionária do aeroporto, negociar preços mais acessíveis de seus parceiros comerciais e na medida do possível, disponibilizar carrinhos elétricos dentro das salas de embarque, assim como fazem em Zurich e Munique. Fica a dica.

José Aparecido Ribeiro
Consultor em Assuntos Urbanos
Bacharel em Turismo
Autor do Blog SOS Mobilidade Urbana – Portal Uai.com.br – CRA MG 08.0094/D
31-99953-7945

11 thoughts on “Vai embarcar em Confins? Então prepare o tenis e o fôlego!

  1. O aeroporto impressiona…tudo sempre ocorreu bem e fui bem atendido…mas o preço da alimentação nos aeroportos é surreal, um misero copinho de salada de frutas 17,00 em POA, um minusculo pastel 13,00 em Confins e por ai vai…

  2. Na verdade os voos no Brasil estão entre os mais baratos do mundo. O problema aí não é o preço e sim a condição financeira das pessoas.

    Quanto ao deslocamento, lembro que o ônibus, q custa em torno de 30 reais, tem mais de 50% do seu valor a título de impostos. E a Linha Verde já está começando a se deteriorar, com buracos e desníveis de pista em vários pontos. Por que então tanto imposto numa passagem de ônibus?

    Quanto ao preço dos lanches, não fora prometido uma opção popular nos aeroportos? Isso não foi implantado em CNF?

    Já em relação aos novos fingers de embarque/desembarque, eu concordo – a distância é grande e torça para vc não estar atrasado!

  3. Concordo com a necessidade dos carrinhos, muitas pessoas com mobilidade reduzida e idosos também terão a mesma dificuldade. Mas quanto as esteiras e o portão de embarque há alguns equívocos. Apesar de não estar liberado para o público (hoje pela demanda se utiliza no máximo o portão 27), a patir do começo do novo píer, existem 3 conjuntos de esteiras e não somente um como se fez entender pelo texto. A definição destas é feita de acordo com normas internacionais da IATA. Diversos aeroportos que já passei no exterior tem distâncias ainda maiores que CNF no embarque/desembarque e o espaçamento das esteiras é muito semelhante a CNF, seja Frankfurt, Viena, Amsterdã, Estocolmo e até mesmo Lisboa.

  4. Corretíssimo o protesto! O aeroporto ficou muito bonito mesmo, com ares dos europeus ou americanos. As distâncias ficaram enormes, mesmo, especialmente no desembarque, não sei se de todos os voos…
    Pra minha mãe, que tem dificuldade de locomoção, sempre peço nos chek in cadeira de rodas, sem a qual ela ficaria impossibilitada de usar o aeroporto.????

  5. Nem 8 nem 80.

    O aeroporto ficou muito bom. Pego voos em Confins semanalmente e o tempo médio de caminhada até o portão 28 ( o último em uso ) é de aprox 10 min. (lembrando que há um outo acesso para a sala de embarque mais próxima ao checkin 2)
    Não é apenas 1 esteira de 30 m, mas são 3 esteiras sequenciais.
    São 38 km a partir da Pça Sete.

    Exagerando nos números e argumentos você perde a razão e passa a impressão de apelar ao sensacionalismo.

    Reclamaram aí das esteiras em que a bagagem chega por cima, mas isso é padrão adotado mundo afora.

    De fato o checkin da Gol está mal posicionado, mas a BH Airport já anunciou que irá inverter a posição do checkin da Gol com a Azul.

  6. O valor do estacionamento informa diária de r $ 60.00 mas deixei o carro ficou 15 h e paguei duas diárias. E no entorno tem diárias de R $ 29.00 . Uma lata de refrigerante r $ 8.00. E levei 2 malas com total de 20kg. Tive que pagar um suposto excesso de bagagem na Tam no importe de R $ 80.00. E a atendente queria que eu trocasse o meu vôo no dia 19. 06 alegando que em SP estava chovendo , mas não estava . O vôo e que estava atrasado.

  7. Muito oportuna está reportagem,realmente tanto o embarque quanto o desembarque estão muitíssimo longe. e.Sem esteiras ta difícil mesmo.
    Outro ponto que vejo em todos os aeroportos é a falta de uma Pessoa Para dar APOIO PARA O EMBARQUE JA DENNTRO DA SALA.OS USUARIOS HJ EM DIA SAO PESSOAS que não tem prática de viagem e com tantos portões se sente perdida. ATENCAO PARA ESTES PASSAGEIROS E URGENTE.

  8. Não poderia deixar de observar também a curiosa esteira de bagagens.Apresenta uma parte superior de mais ou menos 1 metro de altura ,que arremessa as nossas malas como sacos de farinha e que além do castigo que recebem ao serem arremessadas entre uma escala e outra , são expostas a chuva!Estamos quase nos acostumando a pedir o famoso plástico protetor vendido antes do voo. Se você ainda pretende usar a sua malinha outras vezes sem que elas percam pedaços com o descaso dos funcionários responsáveis por elas . Agora nossas malinhas de mão são medidas por um encarte de papelão que usam na porta para o embarque . Se não for dentro desta medida vc é obrigado a voltar e despachar sua malinha…Portanto, associe tudo isso , acostume com as longas distâncias e tente fazer uma boa viagem!

  9. Interessante o comentário. Exemplo mais crítico e o check in da Gol, que fica no extremo oposto dos portões de embarque da companhia. O check in encerra 30 minutos antes do voo, mas não pode deixar de incluir mais 30 minutos para caminhada… se estiver atrasado, esqueça!

  10. Realmente, o preparo físico tem que ser enorme e com roupa de corrida mesmo!
    As esteiras são ridículas !Tive o prazer de conhecer melhor este esforço demoniaco no último sábado à noite!
    E pra completar o verniz mal passado o avião foi obrigado a arremeter , retomando o voo devido erro da torre de controle!
    Falaram em animal na pista!!!
    Como o piloto demonstrou completo susto ao anunciar em inglês o aviso aos passageiros de Belo Horizonte(quase todos mineiros e psiquiatras voltando de um Congresso) tentando nos avisar sobre a ocorrência de um “probleminha “que o obrigou a dar umas voltinhas no ar antes da nova tentativa de pouso!
    Não foi uma experiência agradável e nos fez correr com todos os tipos de sapatos para sair do Aeroporto, enquanto o piloto furioso se dirigiu a torre sem olhar pra os lados!
    Esse nem precisava de esteira pois a distancia por ele percorrida deve ter sido proporcional à provável raiva ou susto- sabe se lá !
    Que animal era esse???

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.