A brincadeira acabou, comerciantes começam a demitir em Belo Horizonte

Enquanto o governo federal conseguiu, aos trancos e barrancos, bancar o auxílio emergencial e ajudar empresários a sustentar salários de trabalhadores, as demissões foram sendo proteladas. Porém, o comerciante agora não tem a quem recorrer e as demissões começaram em Belo Horizonte. Os primeiros foram os empresários do setor de gastronomia, cuja catástrofe parece ser irreversível.

Mais de sete mil pequenos estabelecimentos fecharam e não retornam mais, de acordo com a Abrasel, entidade que representa o setor de entretenimento e gastronomia. Tudo isso na capital nacional dos Bares. Significa que garçons, atendentes, ajudantes de cozinha, caixas e fornecedores desta cadeia produtiva estão correndo o risco de passar fome. No centro da capital não é diferente aumenta o numero de lojas fechadas e placas de aluga-se ou vende-se. Um cenário tenebroso que parece invisível ao prefeito e seus asseclas aliados da esquerda que mandam em BH.

Foto: Jacqueline Bacha

Com faixa na porta a tradicional Casa do Barbeiro que foi aberta em 1996 e é especialista no comércio de produtos para barbearias e salões, anuncia demissão de 22 funcionários. O numero já não é mais o mesmo da faixa, agora já são 29, de acordo com o proprietário Fred Andrade Gomes que conversou com o Blog. A Loja do Barbeiro tem 10 unidades na capital, no Barreiro, Centro e Venda Nova. A empresa foi obrigado a dar férias, fazer empréstimos e dispensar bons funcionários: “Não vejo preocupação da prefeitura com a saúde do povo, vejo uma briga política que está levando nossa cidade para o fundo do poço, com apoio de quem deveria falar a verdade e não escamoteá-la”, relata o empresário referindo-se a grande mídia.

Acabou o surf na onda dos R$600 do Governo Federal

Acabou o surf na onda dos R$600 do Governo Federal. Quem conhece os meandros da política e os malandros que ocupam cargos estratégicos na máquina publica executiva e legislativa sabe que o pano de fundo para o lockdown é a saúde, mas o interesse por trás do fechamento da cidade é aniquilar a imagem do presidente Jair Bolsonaro e aproveitar o Decreto de Emergência estendido para atender amigos que fornecem asfalto, gradis, cestas básicas, sinalização e até EPI´s.

Iludidos, eleitor e comerciante não sentiram tanto os impactos do fechamento provocado pelo três lockdowns em um primeiro momento. Acharam que o prefeito e a ciência vermelha não empurraria o fechamento da cidade por tanto tempo. Afinal, o fica em casa; o pico; a curva; a primeira onda; taxa de ocupação; a oferta de leitos surrupiada e a segunda onda; não deveriam nem existir se de fato lockdown fosse eficiente. Nenhuma evidencia científica mostra que isolamento radical é eficaz.

Está comprovado que fechar a cidade serve tão somente para causar um mal ainda maior e incalculável, o da quebradeira generalizada que deixará empresários e o povo de cócoras para quem dirige a cidade e está acostumado a fazer populismo através de planos assistencialistas em troca de votos, método típico da esquerda que comanda a capital desde 1992.

Com efeito, de agora em diante será diferente, não existe mais R$600 emergenciais. O empregador ciente dos riscos,  fará as demissões de imediato, sabe que não pode mais aguardar ou arriscar, já não tem mais a quem recorrer, pois o rombo federal ultrapassa R$600 bilhões.

Os próximos 12 meses serão de desespero numa cidade sucateada, comércios fechados e milhares de indigentes lutando por sobrevivência, resultado de um governante vaidoso, desequilibrado protegido por uma imprensa venal, preocupada com o curto prazo, salvo honrosas exceções, sem ética, e pela omissão da justiça e de entidades empresariais anacrônicas que assistem o caos em cima do muro com proselitismo.

José Aparecido Ribeiro é jornalista independente em Belo Horizonte

Contato: jaribeirobh@gmail.com – WhatsApp: 31-99953-7945 – www.zeaparecido.com.br

  • Este blog não conta com verbas publicas, por isso precisa de doações e patrocínios para continuar independente e defendendo a verdade que não é contata pela imprensa tradicional.

5 thoughts on “A brincadeira acabou, comerciantes começam a demitir em Belo Horizonte

  1. Minha indignação é que o problema foi e sempre será o descaso com.a saúde pública. E pelo visto não é só no Brasil …e no mundo. Vejam vocês onde quero chegar: fecha tudo..fica em casa…em março se 2019 comerciantes fecharam suas portas…o vírus sumiu ? Não…so aumentava…onde será que está o erro? Será que ninguém consegue ver que uma guerra não se ganha sem guerreiros? Cadê nossos guerreiros? O inimigo agora é um vírus…que mata…cadê nossos defensores? Agora não são soldados…sao médicos…enfermeiros…eles são poucos ..devo aqui deixar meus maus profundos agradecimentos aos médicos não só do Brasil mas do mundo que lutaram e lutam sozinhos na linha frente…cadê os médicos e demais profissionais da RESERVA das forças armadas ? Onde estão vocês? Por que não fizeram valer o que está previsto no estatuto dos militares diante de uma guerra ???? O povo está morrendo jogados nos corredores de hospitais porque não tem médicos para atender…mas aí o que fazem ???? Jogam a culpa no trabalhador …mandam fechar as portas do comércio…e o resultado está aí…pensem nisto por favor…o erro maior é o descaso com a saúde…desvio de verbas…pouco a médicos na linha de frente…

  2. Um absurdo o que estão fazendo com a economia mundial; tudo faz parte de um plano diabólico da nova ordem mundial, mas os governantes que aderiram o tal fechamento também vão sofrer as consequências mais cedo ou no mais tardar

  3. Tem uma frase célebre que diz mais ou menos isso: Quer conhecer alguém, dê a ele poder.
    Nessa pandemia ficamos conhecendo várias pessoas desse Brasil grande. Muitos governadores e prefeitos mostraram para que foram eleitos e reeleitos. Mostraram a falta de interesse e compromisso com o público, mostraram suas vaidades, seus erros escondidos embaixo do tapete. A mídia televisiva negra, que mostra seu envolvimento com ideais esquerdistas. Mas esqueceram-se, que não há mal que sempre dure e bem que nunca acabe. A palavra de ordem passou a ser “fica em casa e fecha tudo”, dita desde fevereiro de 2019, sem nenhuma conclusão científica pontuada tão bem por você José. Tudo isso é uma pena! Mas não podemos desanimar, porque ainda não é o fim. Parabéns a todos os empregadores, grandes ou pequenos que tentaram fazer o melhor por seus empregados e pela cidade, parabéns a todos que lutaram e estão lutando!

  4. Impressionante a falta de sensibilidade das pessoas envolvidas no “fica em casa e fecha tudo”. Cometem as maiores barbaridades e como característica a frieza impera. Impossível querer que estas pessoas coloquem a cabeça no travesseiro e reflitam. Desisto, basta conhecer um pouquinho da psicologia para desenhar o perfil unânime dos envolvidos. Uma lástima pelos empreendedores que ousaram por anos colocar em prática a realização de um sonho. Parabéns a vocês querreiros que acreditaram, empregaram pessoas e pagaram seus impostos. Me solidarizo com vocês.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.