Anastasia declara simpatia a reeleição de Kalil e desconexão com os problemas de BH

O Senador Antônio Augusto Anastasia de certo está pensando que o eleitorado de BH é todo movido pelas mesmas paixões que permitiram Alexandre Kalil se tornar prefeito da capital. É de causar desanimo as declarações de apoio à candidatura de Kalil para mais um mandato à frente da PBH, – manchete do Jornal Estado de Minas neste domingo (29). BH nunca esteve tão suja e abandonada. Só não percebe quem não anda pela cidade, tem alguma boquinha na PBH ou na CMBH, que é extensão de gabinete do prefeito. As ruas viraram latrinas a céu aberto. Quem não acredita, convido para circular na região central da cidade e ver com os próprios olhos.

Desconexão com os problemas de BH

Se não é apego pelo poder, provocado pelos oito anos de mandato como senador, é total desconexão com a realidade da cidade que ele tem endereço fixo. Sem juízo Anastasia não é e nunca foi, pois sempre se apresentou como político equilibrado, discreto e dono de uma oratória de fazer inveja ao Florentino Nicolau Maquiavel. Desde cedo compreendeu a lógica do poder e tem conseguido transitar como poucos nos extremos, garantindo a ele respeito e admiração até dos mais esclarecidos.

O político é respeitado por adversários, incluindo os extremistas de esquerda. Não por acaso, ao lado de Aécio Neves e Fernando Pimentel, conseguiu levar Márcio Lacerda ao posto de prefeito sem nunca ter sido vereador ou sequer síndico de prédio. Porém, as declarações a favor de Kalil em letras garrafais em lugar de destaque no jornal revelam um oportunismo de causar vômito em admiradores e eleitores como eu.

Movido por interesses políticos de olho em mais um mandato de Senador

De olho nos incautos e apaixonados que estão pouco se lixando para a qualidade do mandato do atual prefeito, o senador nega aquilo que o próprio prefeito não faz questão de esconder. BH é uma privada a céu aberto com mais de nove mil indigentes perambulando pelas ruas, fazendo das calçadas um verdadeiro chiqueiro fétido. Vamos informar ao senador o que vem acontecendo caso ele não circule fora das cercanias do tradicional bairro de Lourdes.

O trajeto entre o aeroporto e a Rua Santa Catarina apresenta pouco, mas é exemplo do quanto BH estacionou no quesito infraestrutura, basta olhar pela janela do carro enquanto desloca pela Av. Cristiano Machado.  Não creio que o senador use venda nos olhos ou mesmo seja tão insensível para não perceber a desordem no trânsito, a feiura e a sujeira que toma conta do cenário urbano na cidade que ele possui eleitorado fiel.

UPAS levam mais de 6 horas para atender casos de emergência em BH

A saúde, que é objeto de orgulho para Kalil, vai de mal a pior com UPAS levando 6 horas para atender emergências. Isso talvez não chegue ao conhecimento de Anastasia. Com efeito, se não quiser ir longe, uma volta no quarteirão de casa com sua cadelinha de estimação é suficiente para Anastásia ter a dimensão do que estamos falando.

Sinceramente, não posso acreditar que o desejo de permanecer em Brasília, longe dos problemas da capital mineira possa fazer o senador perder seus princípios. Tomara que ao contrário da memória da “arraia miúda”, o senador corrija o rumo e tenha como candidato a PBH alguém que não se deixe dominar pela esquerda populista que de fato está governando a cidade. Ainda há tempo de corrigir os rumos, evitar essa mancha no currículo e livrar BH de mais quatro anos de atraso.

jaribeirobh@gmail.com – WhatsApp 31-99953-7945

 

5 thoughts on “Anastasia declara simpatia a reeleição de Kalil e desconexão com os problemas de BH

  1. Já votei nesse simpático senado, a quem conheço já há vários anos.Me decepcionou muito com suas votações no Senado federal.Muito culto,muito educadinho,muito gentil,muito arrumadinho,muito atencioso, mas nunca mais terá meu voto, como também de muitos ex-eleitores dele que conheço pessoalmente que,como eu,o admiravam e ainda fazíamos campanha para suas eleições.
    É uma pena essa decepção,pois ele sempre havia se mostrado o homem certo para o lugar certo.

  2. Não causa estranheza vindo de quem vem. Ja votou contra o decreto das armas. Estes nomes precisam cair no esquecimento não me representam. Minha fé é uma renovação em massa para excluir estes políticos de profissão que tão pouco fizeram por Minas Gerais. Anastasia já decepcionou junto com seu partido raso e políticos de profissão. Belo Horizonte que já foi uma cidade linda agoniza nas mãos daqueles que sugam seus últimos suspiros depois de uma série de políticos incompetentes. Parada no tempo, nenhuma obra de impacto e caótica no trânsito. Feliz Ano Novo José Aparecido. . Mesmo e apesar deles e muita força para continuar sendo uma voz que clama no deserto.

  3. Creio que o senador Anastasia, em quem votei, não é mais o mesmo. Quais memórias recentes, temos das aparições do senador?!

    – Impedimentos da Dilma
    – A surra nas urnas na eleição para governador.
    – O fracasso no apoio a candidatura de João Leite para prefeito, com Joyce Hasselnann e tudo.
    – Não apoiar a instauração da CPI da Lava Toga. Agentes públicos podem e devem ser investigados, sempre que houver indícios e ou preventivamente, em qualquer instância, de firma isenta e transparente. Ao vedar essa possibilidade, a sua “aura” de bom moço, fica em Suspeição.

    Sempre foi considerado em bom técnico, dentro do setor público, porém sabemos que gerir a coisa pública é muito diferente de gerir a coisa privada. O bom gestor é aquele que, acima de seus interesses pessoais e eleitorais, faz o que deve ser feito para que o equilíbrio e uma certa reserva, prosperem nas contas públicas. Se o poder público não pode tudo, que faça com excelência o que é essencial e que a sociedade colha os frutos destes investimentos.

    Bom, poderíamos escrever muito sobre essas questões, mas uma coisa é certa, um homem que alcançou a altura que o Senador Anastasia alcançou, jamais poderia ser tão “insignificante” na República, em nosso Estado e em nossa cidade.

  4. O PSDB do Anastasia, ou o Anastasia do PSDB, tenta “segurar-se no capim do barranco”, que cede ao peso de chumbo de partidos, como o PT, indissoluvelmente ligado ao PSDB e que deslizam até o fundo do abismo por eles criado.
    O Kalil é uma dessas “moitas de capim” no dito barranco, pois alia-se a um amplo espectro de neófitos surpreendentes na política recente, que vai do Bolsonaro ao Zema.
    Pior é que esta tática está dando certo. Vide o visível apoio da Rádio Itatiaia à sua reeleição!!

  5. Prezado José Aparecido,
    Boas Festas!

    Pois é.
    A traulitada que ele levou na eleição passada, não foi suficiente para que entendesse o que acontece atualmente em Minas Gerais.

    Os rumos da política (em certo aspecto) estão mudando.

    A cabeça deve estar em círculos – até agora…
    Perdeu o “equilíbrio”…
    Aliás, como contribuinte dessa situação, o tempo – que ele passa em Brasília, na Casa Alta, está prejudicando o senso crítico e ponderado que até então possuía…
    Mas isso já é previsto.
    A característica dessa atividade parlamentar (Senado e sendo também 1º vice-presidente da casa) acaba inviabilizando um acesso mais intenso às áreas mais sensíveis e mais problemáticas do cotidiano da população que ele vem a representar…

    Como ele não “roda” nas localidades com frequência mais acentuada, não visita com mais intensidade as necessidades da população na origem (a gente não encontra com um senador na rua, não é mesmo? Tampouco com prefeito) ele acaba tecendo esse tipo de declaração infeliz…
    Notório.
    Ele esteve presente dia desses, em um evento da CBTU, visitando uma área possível de receber o ramal da linha Calafate-Barreiro do “Metrô”(40 anos de atraso…).
    Há que se perguntar: foi governador de Minas por 4 anos, será que ele não tinha (e não tem) conhecimento dos problemas de mobilidade da RMBH? Desse trem (fantasma) de passageiros? Da Metrominas? E os (vários) problemas (crônicos) da capital e sua região metropolitana? Será? Apenas visitar e registrar o momento em fotografia definitivamente não são suficientes. É preciso mais. Muito mais.
    Ação imediata. Já.
    Assumir um protagonismo, sair do “ambiente de conforto” que lhe é característico e onde sempre é encontrado.
    Vai no sofá da política. Lá estará o Antônio Anastasia. É confortável demais.

    Os mineiros deram um recado especial à ele na última eleição.
    Ele perdeu para um candidato que estava posicionado na terceira colocação, conforme institutos de pesquisa à época. Reviravolta impressionante.
    Ele podia colocar essa cabeça “no lugar” enquanto há tempo e rever conceitos.
    Concordo com você.
    E ainda corre o risco de entrar para o ostracismo político.
    O eleitor está impaciente. O eleitor de Belo Horizonte está impaciente. E horrorizado.
    Urge que mude de opinião. E vá estudar (eu disse literalmente: ESTUDAR) com mais diligência, tanto o eleitor quanto o ambiente.
    Enquanto há tempo…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.