Chuva que durou menos de 20 minutos no sábado (2) levantou asfalto e mais suspeitas contra o prefeito de BH

Em menos de 20 minutos de toró o asfalto feito há 17 meses desceu rua abaixo na Praça Marília de Dirceu onde mora o prefeito de Belo Horizonte

Foto: EM – Estragos provocados pela Chuva de sábado (2)

A chuva que caiu sobre  BH no início da noite do último sábado (2) era esperada há pelo menos três meses. Como todos os anos, a escassez de águas vindas do céu nesta época é comum, e quando elas vêm, a sensação é de alívio. Pouco mais de 20 minutos de trovoadas comemoradas que aliviaram por algumas horas o calor escaldante da semana.

O toró não serviu nem para apagar a poeira, mas deixou rastros em algumas partes da cidade já conhecidas pelos estragos de outras chuvas bem mais robustas como as de 23 e 24 de janeiro de 2020. Na região centro sul em frente à casa do prefeito, na Praça Marília de Dirceu, a chuva “mixuruca” acabou foi levando parte do asfalto e teve até rato boiando em cima de colchão velho nas barbas do prefeito.

Foto: Blog – Praça Marília de Dirceu

Tudo normal se o asfalto não tivesse sido posto ali há menos de 17 meses. Quem não se lembra da “chuva do século” que desabou sobre BH na noite do dia 23 de janeiro de 2020, e que fez o prefeito ficar famoso no Brasil, com direito a entrevista no Programa Roda Viva da TV Cultura, no que ele chamou de “chuva de mil anos”.

Kalil consegue fazer marketing até com a desgraça alheia, e não faz distinção entre bem e mal quando os holofotes estão mirados na sua direção. Naquela ocasião quem mora nas imediações deve se lembrar que ele contratou um arsenal de guerra, sem necessidade, por puro oportunismo, depois de voltar de jogatina no Uruguai e transformar os efeitos da chuva em publicidade, como sempre faz sem perder a pose e sem ser questionado pelo jornalismo apadrinhado da capital, sustentado pela PBH.

Por ordem do prefeito, os reparos das chuvas de 2020 levaram mais de três meses para serem concluídos, o que poderia ter sido feito em menos de 20 dias, incluindo os da Praça Marília de Dirceu onde o próprio prefeito mora. E vejam a coincidência, no sábado a “chuvica” que durou menos de 20 minutos foi suficiente para levantar o asfalto e expor a falta de compromisso de empreiteiros “amigos” com a qualidade dos serviços prestados aos munícipes belo-horizontinos. O asfalto novinho foi arrancado com poucos minutos de chuva.

O final de semana de chuva e denúncias de caixa dois são meras “coincidências”

 

Foto: Criador e criatura ao lado de aliados políticos

O final de semana não foi muito bom para os “santos” que defendem com unhas e dentes o prefeito fanfarrão. Além da chuva que revelou falha nos serviços feitos em modelo de telhas do Brasil Colônia (nas coxas) por amigos do “rei”, o alcaide foi acusado pelo seu ex-chefe de gabinete, escondido no Rio de Janeiro temendo pela própria vida, de fazer caixa dois para campanha ao governo de Minas em 2022. Assunto logo abafado por amigo jornalistas jabaseiros.

A tal acusação de caixa 2 para campanha envolve o assessor especial do prefeito, Adalclever Lopes, homem de “confiança” de Kalil, e responsável pela idéia de lança-lo candidato ao governo de Minas. Adalclever é um político “quase santo” e já foi presidente da Assembleia Legislativa – ALMG. De forma republicana, as chances de ganhar uma disputas para qualquer cargo eletivo são muito baixas. Sua sobrevivência política está atrelada ao futuro de Kalil e não por acaso o esforço para emplacar a candidatura do prefeito cartola.

Com efeito, o prefeito deve ao povo de BH uma explicação plausível sobre o asfalto de pernas para o ar na porta do prédio onde mora no bairro de Lourdes. Do ponto de vista da engenharia e de São Pedro o asfalto deveria ter suportado a “chuvica” de sábado, pois foi trocado recentemente e o temporal não foi tão expressivo assim.

Foto: EM – Estragos da Chuva de Sábado

Se não foi bem feito por empreiteiros descompromissados com qualidade, precisa ser refeito sem ônus para o erário municipal, urgentemente e sem enrolação. Com a palavra o Ministério Público, os jornalistas domesticados e subservientes que cumprem papel de assessores de imprensa da PBH e, claro, os “brilhantes” e dedicados vereadores da Câmara Municipal, puxadinho do gabinete do prefeito, todos obedientes. Com as devidas, RARAS e honrosas exceções no jornalismo e na vereança, os que cumprem seus papéis com autonomia, e que são minoria.

José Aparecido Ribeiro é jornalista

www.zeaparecido.com.br

Anuncie no Blog: 31-99953-7945

Se o post não abrir por completo mude de navegador.

8 thoughts on “Chuva que durou menos de 20 minutos no sábado (2) levantou asfalto e mais suspeitas contra o prefeito de BH

  1. Eita que o esse digníssimo fanfarrão mesmo, deveria estar cansado de passar vergonha. Mas não! A cada dia uma nova demonstração de desonestidade e incompetência. Já passou da hora dos mineiros perceberem que traste elegeram.

  2. Era um rato no colchão?
    Pensei que fosse o Calixo descansando.

    🇧🇷 BOLSONARO 2022 🇧🇷

  3. Quando estes elementos vão aprender que dinheiro público é o dinheiro dos impostos caríssimos que oneram todos que pagam para jogar ralo abaixo. A empresa que executou a obra tem por obrigação dar uma garantia mínima de 5 anos e quem supervisionou a deve entrar neste pacote. Não é possível tanta incompetência num metro quadrado.

  4. É mais uma das trapalhadas desse cara. A cidade sofre com a falta de compromisso de uma pessoa incompetente, que pouco está se importando com o bem estar do povo. Como alguém consegue votar num cara como esse?? 😩😖😭

  5. Nos já mais podemos perder a oportunidade, de em 2022 limpar esses mequetrefes da política, vamos comessar pelos os deputados, federais, senadores e governador.quando chegar às eleições municipais agente acaba de jogar o resto no latão de lixo

  6. BH como qualquer cidade está sujeita a intempéries e desastres decorrentes das chuvas, entretanto soluções existem e olha que a muitos anos qdo frequentava mais essa cidade já existiam verdadeiros rios descendo ruas e avenidas.
    Construções de piscinões, redes pluviais com desvios para ribeirões etc.
    Copiar não é defeito, não tem áreas para piscinões façam debaixo das próprias ruas e avenidas, praças, etc…
    Essas águas são posteriormente aproveitadas com tratamentos adequados.
    Bem, quem sou eu nesse mundo de Deus pra aconselhar se não têm vontade política.
    Numa selva de concreto e asfalto não vão esperar nada diferente.
    Boa sorte ao povo de BH e que escolham melhores políticos.

  7. É isso aí.
    Muita garganta, qualidade zero e custos astronômicos.

    A Caixa preta da BHtrans, “desvendada” pelo prefeito, que contratou a empresa de auditoria “perfeita”, é um exemplo da “seriedade de seu trabalho”, bem como a “lisura”.

    R$200 milhões para empresas de ônibus que não prestaram o serviço, quando o prefeito fechou a cidade para salvar vidas.

    Creio que foi em 2017, sem epidemia, pandemia, covid 19, BH registrou mais óbitos que 2020. Será porque o prefeito abriu sepulturas, contratando uma loja de roupas?!

    É…. A cadeira que o prefeito precisa ocupar é a depoente e se comprovado réu.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.