Em BH a gasolina bateu nos R$7,00, e o álcool a R$4,50 nesta sexta-feira de caos no trânsito

Belo Horizonte viveu o caos nesta sexta-feira (26). A razão foi o desdobramento de uma greve dos transportadores de combustíveis tentando pressionar o governo de Minas a reduzir o ICMS da gasolina que há cinco anos é de 31% e o segundo mais alto do país. Na reivindicação, a redução da alíquota do óleo diesel de 15% para 12% e do álcool que é 15% para 13%, a exemplo do que acontece no estado do Espírito Santo onde não existe refinaria da Petrobras.

Há menos de 3 meses o álcool custava R$2,80 e a gasolina R$4,15

Foto: Reprodução Grupo produtores de jornalismo

Pasmem, mas teve postos vendendo a gasolina hoje a R$6,00 e o álcool R$4,50. Há três meses o etanol era encontrado nos postos de Belo Horizonte a R$2,80 e a gasolina a R$4,15. O governador Romeu Zema disse que existe a possibilidade de redução em outro momento, mas não agora, pois é necessário que o governo encontre outra fonte de compensação para que o imposto sobre os combustíveis possa ter a sua alíquota reduzida sem impactar a arrecadação.

Há dois dias os postos não conseguem tirar pedidos junto às distribuidoras e nem encher os caminhões, pois todas elas ficam nas imediações da Refinaria Gabriel Passos – Regap em Betim, onde grevistas bloquearam o entorno da refinaria, uma das maiores do país. Centenas de postos da capital já não tinham combustíveis no meio da tarde desta sexta-feira (26) e as filas se entendiam por quarteirões, transformando o trânsito que já é ruim em dias de chuva, em um verdadeiro caos.

Três mil tanqueiros aderiram a greve que tem vieses políticos

Estimativas do SindTaque é de que mais de 3 mil tanqueiros aderiram ao movimento grevista.  O governo de Minas não aceita os argumentos dos grevistas e alega que variações do combustível não são decorrentes do ICMS, mas da política de preços da estatal de petróleo. Redução dos preços embora possível, não deverá ocorrer nos próximos dias, pois com a crise financeira no Estado o governo não pode abrir de impostos sobre combustíveis arriscando o custeio da máquina, incluindo salários.

Foto: Internet Tribuna de Minas

A greve foi convocada pelo Sindicato das Empresas Transportadoras de Combustíveis e Derivados de Petróleo do Estado de Minas Gerais (SindTanque). Há quem diga que este sindicato tem na sua diretoria ativistas militantes de partidos de esquerda e que a greve não visa só reivindicar redução de impostos nos combustíveis, mas tumultuar a gestão de governador que pertence ao Partido Novo, com vistas a enfraquecê-lo.

Caos no trânsito e a BHTrans completando um ano de férias

A corrida aos postos se estendeu por todo o dia. Para variar a empresa responsável pelo trânsito da capital, mais uma vez não compareceu, deixando por conta dos sinais a gestão do trafego em vias completamente saturadas. A BHTrans não consegue apresentar planos de emergência para cidade quando ocorrem mudanças na rotina da cidade como greves, acidentes que fecham grandes corredores, especialmente o Anel Rodoviário e o resultado já é conhecido, trânsito lento e pesadelo para se deslocar.

Foto: Blog SOS Mobilidade Urbana

O que a população não sabe é que vários engenheiros da autarquia seguem em regime de trabalho remoto, para não dizer de férias. O desabastecimento provocado pela greve já está afeta a Região Metropolitana de Belo Horizonte, foi o que afirmou representante do Minaspetro, entidade que representa mais de 4,5 mil postos no estado.

No final da noite, depois de reunião na Cidade Administrativa o governo costurou um acordo para que a greve seja encerrada e uma nova rodada de negociações seja feita na próxima semana. Ou seja, quem agiu precipitadamente enchendo o tanque, gastou tempo e pagou mais caro sem necessidade.

José Aparecido Ribeiro é jornalista independente em Belo Horizonte

Contato: jaribeirobh@gmail.com – WhatsApp: 31-99953-7945 – www.zeaparecido.com.br

Este blog não recebe verbas publicas, mas aceita anúncios ou doações. Se você acredita no trabalho deste jornalista ajude a mantê-lo independente…

 

7 thoughts on “Em BH a gasolina bateu nos R$7,00, e o álcool a R$4,50 nesta sexta-feira de caos no trânsito

  1. SE CONSEGUIREM BAIXAR OS PREÇOS, AUTOMATICAMENTE O GIRO DE TODOS OS SEGUIMENTOS AUMENTARIAM E CONSEQUENTEMENTE COM INFLAÇÃO MENOR, A ECONOMIA BRASILEIRA TERIA UM CRESCIMENTO RELATIVO.

  2. Vamos fazer comparações dentro dos parâmetros que nos são disponíveis, sem navegarmos no inimaginável, vamos lá:
    Eu hoje aqui nos USA pago o galão de gasolina USD 2,59 galão com 3,78 litros , então USD 2,59/3,78 me dá USD 0,685, se utilizarmos este resultado USD 0,685 e multiplicarmos pelo preço real do USD americano em real, nossa moeda teríamos então R$ 3,837 este seria o preço, se levarmos em consideração preço internacional.
    Me perdoem a explanação simples matemática mas a questão toda é a super valorização da moeda chamada DÓLAR instrumento de troca e medição de valores.
    Nosso preço deveria no máximo estar neste patamar R$3,837 seguindo padrões internacionais
    Temos que entender que a Petrobras, aí meu ver, está supervalorizando os preços com propósito escusos, agora pelos índices apresentados acho melhor fechar todos os poços de exploração e rede de distribuição da Petrobras e optar pela importação do produto já que chegamos a um preço bem razoável R$ 3, 837 mesmo com dólar flutuando lá em cima.

  3. Sindicato sempre aparelhado por militantes. Não querem o bem do país e muito menos dos brasileiros. Estao tumultuando para desmoralizar e expor o governador ou talvez tenham outra intenção pior por trás. O governador nunca escondeu a herança maldita que o último governador deixou. Falta bom senso para pressionar no lugar errado.

  4. Gostaria respeitosamente de deixar meu comentário ao Jornalista e AMIGO “Zé Aparecido” como é conhecido carinhosamente em seu Blog.

    Um jornalista autêntico e imparcial, mestre com as palavras, que é seu forte, professor com a linguagem e prudente com às ideias e fatos.

    Nunca deixarei de ler suas notícias e assistir suas entrevistas com entrevistados inteligentes e pontuais, com o momento cirurgicamente escolhidos.

    Meus cumprimentos pela seu Don Divino e suas inspirações na sua tarefa árdua em um país desigual e hipócrita, porém, acredito que sua função enriquece os ouvintes e seguidores, nessa missão tão honrada de informar as pessoas e despertar a crítica necessária em nossa sociedade Brasileira.

    Deus abençoe sempre irmão José Aparecido.

    Muito obrigado pela sua companhia e intervenções com os fatos.

    Atenciosamente,

    Alexandre Ozanan de Souza,

    Seu fã.

  5. Cabe à população se organizar em grupos de amigos e reagir, deixando de comprar, em bloco, nos postos mais caros, de forma combinada. Em um dia ou dois isso teria reflexos isolados, porém evidentes pela falta de filas nesses postos.
    Mas isso o brasileiro não sabe fazer, portanto paguem os preços e perpetuem os aumentos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.