Formuladores de políticas públicas para o enfrentamento da pandemia são acusados de “crimes contra a humanidade”

Recomendações de tratamento “tamanho único” resultaram em doenças e mortes desnecessárias de milhões de pessoas inocentes.

Foto: Arte Revista Exame

Na última sexta-feira (24) uma aliança internacional de médicos e cientistas médicos assinou documento condenando veementemente a estratégia global para tratar a COVID-19. Eles acusaram os responsáveis pelas políticas públicas de combate a pandemia de potenciais praticantes de “crimes contra a humanidade”.

A acusação se baseia no fato de que estes agentes públicos impediram que médicos pudessem fornecer tratamentos que salvam vidas. Além disso eles conspiraram para que não houvesse debate científico sobre as chamadas drogas coadjuvantes off-label. (tratamento precoce).

No documento eles afirmam que as recomendações de tratamento “tamanho único” resultaram em doenças e mortes desnecessárias de milhões de pessoas inocentes.  O documento foi assinado por mais de 3.500 médicos e cientistas de todo o mundo.

No Brasil o tratamento aos primeiros sintomas do Coronavírus é seguido por mais de 70 mil médicos, de acordo com estimativas do “Movimento Médicos pela Vida”, que conta com a participação ativa de mais de 20 mil médicos signatários.

O documento é traduzido pela jornalista americana Debra Heine e segue abaixo na íntegra.

A Declaração dos Médicos foi lida pela primeira vez na Cimeira de Roma Covid, catalisando uma explosão de apoio ativo de cientistas médicos e de médicos de todo o mundo. Estes profissionais não esperavam ameaças de carreira, assassinatos de caráter, artigos e pesquisas censuradas, relatos sociais bloqueados, resultados de pesquisas manipuladas, ensaios clínicos e observações de pacientes proibidos, e a sua história profissional e realizações alteradas ou omitidas nos meios acadêmicos e na grande imprensa.

O Dr. Robert Malone, arquitecto da plataforma de vacinas do mRNA, leu a Declaração de Roma na cimeira.

“Milhares de pessoas morreram de Covid como resultado de lhes ter sido negado tratamento precoce que salvou vidas. A Declaração é um grito de batalha de médicos que lutam diariamente pelo direito de tratar os seus pacientes, e pelo direito dos pacientes a receberem esses tratamentos – sem medo de interferência, retribuição ou censura por parte do governo, farmácias, corporações farmacêuticas, e grandes empresas tecnológicas. Exigimos que estes grupos se afastem e honrem a santidade e integridade da relação médico-paciente, a máxima fundamental “First Do No Harm”, e a liberdade dos pacientes e dos médicos para tomarem decisões médicas informadas. As vidas dependem disso.

Nós, os médicos do mundo, unidos e leais ao Juramento Hipocrático, reconhecendo a profissão de medicina como a conhecemos numa encruzilhada, somos obrigados a declarar o seguinte

CONSIDERANDO que é nossa maior responsabilidade e dever defender e restaurar a dignidade, integridade, arte e ciência da medicina;

CONSIDERANDO que existe um ataque sem precedentes à nossa capacidade de cuidar dos nossos pacientes;

CONSIDERANDO que os decisores de políticas públicas optaram por forçar uma estratégia de tratamento de “tamanho único”, resultando em doença e morte desnecessárias, em vez de defenderem conceitos fundamentais da abordagem individualizada e personalizada dos cuidados ao paciente, que se provou ser segura e mais eficaz;

CONSIDERANDO que os médicos e outros prestadores de cuidados de saúde que trabalham na linha da frente, utilizando os seus conhecimentos de epidemiologia, fisiopatologia e farmacologia, são frequentemente os primeiros a identificar novos tratamentos potencialmente salva-vidas;

CONSIDERANDO que os médicos estão cada vez mais a ser desencorajados de se envolverem num discurso profissional aberto e na troca de ideias sobre doenças novas e emergentes, não só pondo em perigo a essência da profissão médica, mas, mais importante, mais tragicamente, a vida dos nossos pacientes;

CONSIDERANDO que milhares de médicos estão a ser impedidos de fornecer tratamento aos seus pacientes, como resultado de barreiras colocadas por farmácias, hospitais e agências de saúde pública, tornando a grande maioria dos prestadores de cuidados de saúde indefesos para proteger os seus pacientes face à doença. Os médicos estão agora a aconselhar os seus pacientes a simplesmente irem para casa (permitindo que o vírus se reproduza) e regressarem quando a sua doença se agrava, resultando em centenas de milhares de mortes desnecessárias de pacientes, devido a falhas no tratamento;

CONSIDERANDO que isto não é medicina. Isto não é um cuidado. Estas políticas podem na realidade constituir crimes contra a humanidade.

AGORA, PORTANTO, É:

RESOLVIDO, que a relação médico-paciente deve ser restabelecida. O próprio coração da medicina é esta relação, que permite aos médicos compreender melhor os seus pacientes e as suas doenças, formular tratamentos que dão as melhores hipóteses de sucesso, enquanto o paciente é um participante ativo nos seus cuidados.

RESOLVIDO, que a intrusão política na prática da medicina e na relação médico-paciente deve terminar. Os médicos, e todos os prestadores de cuidados de saúde, devem ser livres de praticar a arte e a ciência da medicina sem medo de retribuição, censura, calúnia, ou ação disciplinar, incluindo possível perda de licença e privilégios hospitalares, perda de contratos de seguro e interferência de entidades e organizações governamentais – o que nos impede ainda mais de cuidar de doentes necessitados. Mais do que nunca, o direito e a capacidade de trocar descobertas científicas objetivas, que contribuem para a nossa compreensão da doença, devem ser protegidos.

RESOLVIDO, que os médicos devem defender o seu direito de prescrever tratamento, observando o princípio PRIMEIRO, NÃO FAÇA NENHUM MAL. Os médicos não devem ser impedidos de prescrever tratamentos seguros e eficazes. Estas restrições continuam a causar doenças e morte desnecessárias. Os direitos dos doentes, após terem sido plenamente informados sobre os riscos e benefícios de cada opção, devem ser restabelecidos para receberem esses tratamentos.

RESOLVIDOS, que convidamos os médicos do mundo e todos os prestadores de cuidados de saúde a juntarem-se a nós nesta nobre causa, enquanto nos esforçamos por restaurar a confiança, a integridade e o profissionalismo na prática da medicina.

RESOLVIDOS, que convidamos os cientistas do mundo, que são competentes na investigação biomédica e defendem os mais elevados padrões éticos e morais, a insistirem na sua capacidade de conduzir e publicar investigação objetiva e empírica sem medo de represálias sobre as suas carreiras, reputações e meios de subsistência.

RESOLVIDOS, que convidamos os pacientes, que acreditam na importância da relação médico-paciente e na capacidade de serem participantes ativos nos seus cuidados, a exigir o acesso a cuidados médicos de base científica.”

Fonte: https://amgreatness.com/2021/09/24/over-3000-doctors-and-scientists-sign-declaration-accusing-covid-policy-makers-of-crimes-against-humanity/

José Aparecido Ribeiro é jornalista

www.zeaparecido.com.br – WhatsApp: 31-99953-7945 – jaribeirobh@gmail.com

Este Blog necessita de anunciantes e doadores para a sua manutenção. Qualquer quantia é bem vinda.

 

6 thoughts on “Formuladores de políticas públicas para o enfrentamento da pandemia são acusados de “crimes contra a humanidade”

  1. Admiração e respeito aos profissionais que se
    mantém fiéis ao juramento que fizeram ao escolher salvar vidas. Mídia mentirosa que induz ao erro, parte da população que não consegue perceber o óbvio.

  2. Faço tratamento precoce.

    BOLSONARO TEM RAZÃO
    USO IVERMECTINA

    🇧🇷 BOLSONARO 2022 🇧🇷

  3. Este documento vem comprovar a farsa da CPI do Covid no Brasil. Estão lutando e condenando médicos brilhantes que cumpriram com o juramento de Hipócrates e provaram que o tratamento precoce era o melhor que tinha para o momento. Em minha casa foram três curados sendo que meu marido é asmático, obeso, fumante, hipertenso e diabético. Com dois dias de tratamento off label já estava sem febre e se recuperou totalmente… Gratidao eterna aos médicos pela vida que foram julgados e mesmo assim enfrentaram a política pública apadrinhada pelo jurídiciario e mídia podre. Estes sim deveriam passar por um tribunal de inquisição por crime contra a humanidade.

  4. Quaisquer médico por menos preparado que seja sabe que QUALQUER doença tratada no início as chances de cura aumenta muito, seja até mesmo o câncer.
    Lógico que pessoas com comobirdades diminuem esse percentual, mas mesmo assim a cura é inevitável.
    Infelizmente o mundo da ganância de poder e dinheiro e a falta de Deus esses vermes e vampiros não estão nem aí.
    Com relação a crimes contra a humanidade me faz cócegas, o maior ladrão do mundo está solto.
    Dinheiro de roubo pra ser devolvido.
    Quem vai prender quem?
    No Brasil pessoas honestas julgadas por bandidos.
    Enquanto fala e atacam essas pessoas honestas eles esquecem de mim.
    Mais a justiça divina tarda mais não falha.

  5. Sou dona da minha vida. Cabe a mim aceitar o tratamento que eu quiser.
    Não posso compactuar com um grupo de
    Inescrupulosos que por ganância deixaram milhões de mortos no país.
    Sou totalmente a favor do tratamento precose. Eu tomo ivermectina de 6 em 6 meses.
    Essa 3° dose da vacina só vou tomar se for da mesma que tomei as outras 2. Não vou servir de COBAIA pra ninguem.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.