Justa homenagem ao piloto Fernando Murilo do voo 375 da Vasp, sequestrado em 1988

A homenagem é uma sugestão do leitor do Blog, Antônio Luiz Accioly Netto. Ele é ex-aluno da ESPM Escola Superior de Propaganda e Marketing, da primeira turma de 1968 no Rio de Janeiro. Accioly tem larga experiência em marketing e passou por instituições renomadas nos EUA. Hoje vive em Portugal.

A narrativa foi tirada dos autos do processo do sequestro do voo 375 da Vasp em 1988. Trata-se de fato histórico que poucas pessoas sabem, similar ao drama vivido pelos passageiros do voo 11 da American Airlines no dia 11 de setembro de 2001 antes de colidir com uma das torres do Word Trade Center em Nova York, evento que mudou a história dos EUA e da humanidade, no maior ataque terrorista do planeta.

Tentativa similar já havia acontecido no Brasil no dia 29 de setembro de 1988, e teve um personagem desconhecido cujo papel foi decisivo para o desfecho positivo sem prejuízos para os 104 passageiros do voo Vasp 375 que poderia ter colidido contra o prédio principal do Congresso Nacional em Brasília, se não fosse a astúcia de um piloto.

O personagem desta homenagem pós-morte – que nos deixou há exato um mês – era piloto comandante de Boeing-737, e veio a falecer em Búzios-RJ, no dia 26 de agosto próximo passado. Trata-se de cidadão e profissional que merece ser lembrado pela sua bravura e presença de espírito, o piloto Comandante Fernando Murilo.

Foto: Piloto Fernando Murilo de Lima e Silva – Internet

O dia do sequestro do voo Vasp 375 que entrou para a história da aviação brasileira.

Tudo corria bem na rotina dos tripulantes do voo Vasp 375 no dia 29 de setembro de 1988. O avião saiu de Porto Velho – RO pela manhã e fez antes do seu destino final, quatro escalas em Cuiabá, Brasília, Goiânia e Belo Horizonte, de onde ele voaria para o Rio de Janeiro, para encerrar seu percurso no Aeroporto Internacional do Galeão, destino final programado”. Mas as coisas não aconteceram exatamente como deveriam.

Ao decolar de Belo Horizonte, um passageiro se levantou e, armado com um revolver calibre 32, iniciou o sequestro da aeronave. O passageiro, Raimundo Nonato Alves da Conceição, estava com raiva da política econômica brasileira, dos rumos do país, e por isso resolveu se vingar. A vingança pretendida: Sequestrar um avião e jogá-lo contra o Palácio do Planalto, bem no local onde fica até hoje o gabinete do presidente da República.

Raimundo pretendia matar aquele que ele considerava o grande vilão da história: Jose Sarney – sucessor do presidente eleito que não tomou posse, Tancredo Neves. Pode parecer filme, – e de fato o caso virou filme – mas o plano foi colocado em prática e o avião foi tomado. Exigindo que a porta da cabine fosse aberta, Raimundo atirou em um comissário. Com a porta ainda trancada, o sequestrador começou a atirar contra a cabine (as portas ainda não eram blindadas).

Um tiro acertou o piloto reserva na perna, fraturando-a e o outro, acertou o painel do Boeing 737 em pleno voo. Diante do risco que representava aquele homem atirando a esmo dentro de uma aeronave há 11 mil metros, o piloto abriu a porta e Raimundo anunciou seu plano, que representava a morte dos 98 passageiros e sete tripulantes, fora possíveis vítimas em terra. O piloto, Fernando Murilo de Lima e Silva, conseguiu avisar sobre o sequestro, acionando o transponder da aeronave, código que indica interferência ilícita.

Também conseguiu informar a torre de comando acerca dos planos envolvendo o intento de jogar o avião no prédio que abriga o Palácio do Planalto. Nesse momento a 1ª vítima fatal do sequestro seria executada, o copiloto Salvador Evangelista que merece também todas as homenagens, infelizmente como herói que perdeu a vida tragicamente neste sequestro. Quando a torre responde ao piloto, foi o copiloto Salvador quem fez menção de responder. Provavelmente, um movimento brusco foi interpretado como reação. O copiloto foi morto na hora com um tiro na nuca. Com dois colegas baleados, um colega morto, surge o sangue frio e a perspicácia do grande herói dessa história: o piloto Fernando Murilo.

Foto: O popular – Retirada do corpo do copiloto Salvador Evangelista do Boeing 737-300 da Vasp em Goiania

Ele percebeu que morrer seria inevitável, então começou um perigoso processo de convencimento junto ao sequestrador em busca de uma improvável solução. Durante todo esse período, o Voo VASP 375 era seguido de perto por caças Mirage da Força Aérea Brasileira que tinham ordens de abater o voo, sacrificando os passageiros, caso surgissem indicações de que a aeronave seria usada contra algum prédio da Capital Federal, sede do Governo e do Congresso Nacional. Nesse ponto, o sequestrador toma outra decisão: exigiu que rumassem para São Paulo, provavelmente em busca de outro alvo.

O piloto Fernando novamente argumentou que o avião não tinha combustível para tanto. Sugeriu então um pouso no Santa Genoveva, em Goiânia. Enquanto a discussão se dava entre os dois, o piloto Fernando, disfarçadamente, rumou para Goiânia, afastando o avião de Brasília, cheia de potenciais alvos. Por fim, diante da recusa de pousar em Goiânia, e das ameaças que só faziam crescer, o piloto tomou mais uma decisão.

Primeiro ele tirou o avião do piloto automático e fez uma manobra chamada tonneau (manobra em que o avião dá uma volta completa ao redor de seu eixo). Ele pretendia, com isso, fazer o sequestrador cair e, assim, tomar a arma dele, mas isso não deu certo. Depois, ele partiu para a cartada final: o parafuso, manobra em que o avião perde a sustentação e cai de bico, girando as asas como um pião.

A ideia do piloto era descer nove mil pés durante a manobra, fazer o sequestrador cair e imediatamente efetuar o pouso em Goiânia. Anos depois, Fernando falou: “Eu pensei, como vou morrer mesmo, vou arriscar. Parti para o tudo ou nada. Já que vou morrer, vou morrer brigando porque, pelo visto, ele não ia me deixar pousar,” relatou o herói desta história verídica. Fernando conseguiu fazer cair o sequestrador e pousar com tranquilidade.

Mas ele logo se recuperou e seguiu com o sequestro. Era perto de 13h45 quando o pouso ocorreu no aeroporto de Goiânia. Em terra, as negociações continuaram. O aeroporto foi cercado por agentes do Exercito Brasileiro e da Polícia Federal, que quase invadiram a aeronave, mas foi novamente o piloto Fernando quem deu rumo às coisas. Ele convenceu o sequestrador a pedir um avião menor, com bastante combustível, e com essa 2ª aeronave, ir em busca de sua vingança.

O sequestrador aceitou, mas exigiu que Fernando seguisse pilotando, o que o piloto aceitou. Sua vida em troca de 103 sobreviventes. Todos os feridos foram atendidos em hospitais de Goiânia. Fernando, o piloto reserva e o comissário baleado não corriam risco de morte. Nem o sequestrador, segundo informações prestadas pelo hospital. Misteriosamente três dias depois Raimundo Nonato morreu de forma estranha e inexplicável.

No fim o piloto Fernando, grande herói do sequestro, conseguiu salvar 104 vidas e evitou que tivéssemos um 11 de setembro muito antes das Torres Gêmeas. Por seu feito, foi condecorado com a Ordem do Mérito Aeronáutico, a mais alta distinção honorífica do Comando da Aeronáutica. Contudo, nunca recebeu qualquer palavra de agradecimento do Presidente Sarney, que se quedou calado acerca do sequestro. “Ele nunca me dirigiu a palavra, nunca me agradeceu, mas não tenho mágoa. Estou tranquilo com minha consciência, sei que fiz meu papel”, relatou o herói.

Até hoje as manobras que o piloto Fernando efetuou naquele 29 de setembro não são reconhecidas pela Boeing, que afirma categoricamente “ser impossível fazê-las em um Boieing 737-300, especialmente naquele de prefixo PP-SNT que entrou para história e cujo Comandante era o experiente Fernando Murilo.

Tudo isso para lembrar que esse herói pouco conhecido, morreu no dia 26 de agosto em Búzios, aos 72 anos de insuficiência respiratória provocada pelo Covid-19. Deixou esse mundo com o crédito de ter salvado 104 vidas e de ter agido pró ativamente colando em risco a própria vida sob a mira de um homem atordoado disposto a suicidar-se , levando com ele uma centena de inocentes. Por esse feito heroico essa singela em memória de um profissional e ser humano de grande valor.

  • O texto é uma adaptação da narrativa tirada do Processo que acabou sendo encerrado em virtude da morte misteriosa do sequestrador 3 dias após o ocorrido, de causa desconhecida.

Casos de sequestros no Brasil

Interessante notar que embora este sequestro  tenha características ímpares e inéditas (que lamentavelmente veio acontecer 20 anos mais tarde nos Estados Unidos em 11/09/2001) o Brasil já vinha de um histórico de sequestros de aviões como mostra os fatos abaixo:

O Brasil teve antes deste outros sequestros de aviões de passageiros: Em 3 de dezembro de 1959 um grupo de oficiais da FAB numa tentativa de empreender um golpe de estado e  derrubar o governo de Juscelino Kubistchek de Oliveira , então presidente do Brasil, fechar o Congresso e instaurar uma ditadura militar. Para isso sequestraram um Constellation da Panair do Brasil.

Ficou conhecida como a Revolta de Aragarças, uma cidade nos confins de Goiás. Felizmente depois de uma semana de muita tensão a revolta foi suplantada e o presidente Kubitscheck magnânimo como só ele, deu indulto a todos os militares envolvidos.

Outro sequestro, com sentido inverso foi realizado em 1 de Janeiro de 1970, desta vez com a finalidade de derrubar a ditadura militar no governo desde 1964. Desta vez um Caravelle da Cruzeiro do Sul foi sequestrado e arrestado para Cuba, onde um grupo de militantes do VAR-Palmares acabou desembarcando.

E , por fim, no final deste mesmo ano um segundo Caravelle da Cruzeiro do Sul foi sequestrado ao decolar do Aeroporto do Galeão, no Rio de Janeiro, mas ao voltar para ser reabastecido (os sequestradores também queriam depor o governo ou fugir para Cuba) a Policia Militar da Aeronáutica já estava preparada e conseguiu abortar o intento com a prisão dos sequestradores em terra.

Busquei na internet e através de amigos da aviação como o decano Francisco Demingo que entrou para os quadros da Varig em 1956 outros relatos de sequestros de aviões no Brasil e ele conseguiu depoimento de um ex-comandante de Boeing 747, Comandante Paulo Victor da Silveira, Cruzeiro, que relatou ter sido vítima de sequestro em Cuba, num voo de prefixo YS11-A PP-CTJ em 01 de julho de 1970. Após alguns dias em Cuba, foram presos e processados na volta, tendo sido absolvidos, virando apenas história.

Com efeito, depois das blindagens nas portas de acesso aos cockpits de aeronaves e com os desdobramentos provocados pelos sequestros ocorridos nos EUA no dia 11 de setembro de 2001, os processos de segurança em terra e dentro das aeronaves se intensificaram, dificultando as ações de sequestradores. Com isso, tripulantes  e passageiros correm menos riscos e a segurança de voos aumentaram consideravelmente.

Há que diga que o verdadeiro herói teria sido o sequestrador, se conseguisse o intento sem tirar a vida dos passageiros e tripulantes, acertando o alvo e que o piloto estragou tudo… Para bom entendedor meia palavra basta.

José Aparecido Ribeiro é Jornalista em Belo Horizonte – MG – Presidente da Abrajet-MG Associação Brasileira de Jornalistas de Turismo – Seção MG

Contato: jaribeirobh@gmail.com – WhatsApp: 31-99953-7945

 

5 thoughts on “Justa homenagem ao piloto Fernando Murilo do voo 375 da Vasp, sequestrado em 1988

  1. Cadê os professores de história?
    Como esse cidadão que tomou de assalto o avião e não concordava com o governo da época, isso não interessa a esquerda.

  2. Muito interessante os casos de sequestros ocorridos no Brasil. A homenagem ao piloto
    Fernando foi de bom tom.
    Sinceramente não conhecia esses acontecimentos
    Vivendo e aprendendo.

  3. Muito bem lembrado José Aparecido Ribeiro!
    Grande Fernando Murilo!
    Faltou contar como foi que o sequestrador desistiu do avião pequeno.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.