Lockdown aumenta o número de mortes por Covid-19, de acordo com cientistas da UFPE e de Stanford

Matéria publicada no site Estudos Nacionais, revela crescimento dos óbitos relacionados a isolamento social durante a pandemia de Covid-19. De acordo com o estudo feito por pesquisadores da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) há evidências irrefutáveis de que “a adoção de medidas restritivas de circulação e confinamento agravou a pandemia em vez de atenuá-la […] e pode estar diretamente relacionada a um aumento de 10,5% dos óbitos no período observado”, relata a matéria.

O estudo, publicado em outubro de 2020, foi conduzido pelo Doutor em Psicologia,  Bruno Campello de Souza e em seguida revisado pelo PhD, Fernando Menezes de Souza, ambos pesquisadores da UFPE especialistas nas áreas de gestão médica e análise de dados científicos. A relação entre o isolamento social e o número de vítimas do Coronavírus, usou dados de geo-referenciamento de 82.241 pessoas que morreram vítimas da Covid-19 entre 12/03/2020 e 22/07/2020.

Informações de aplicativos de celular utilizadas para recolher dados

Foram utilizadas também informações dos mais de 60 milhões de brasileiros que possuem aparelhos celulares equipados com aplicativos de monitoramento, ao todo mais de 600 aplicativos. Como resultado, os pesquisadores observaram o crescimento da curva de óbitos após o aumento dos índices de isolamento social. A base de dados utilizada leva em conta o número de mortes diárias informada pelo Ministério da Saúde, de acordo com a data real do óbito e não de notificação do óbito.

Estudos mostram que risco de morte aumenta com medidas de isolamento em 10,5%

Isso para que não haja distorções na curva de progressão devido a atrasos comuns nos registros de mortes, foi o que destacou os pesquisadores entrevistados pelo site Estudos Brasileiros. Na mesma matéria os pesquisadores alertam para o fato de que a tendência dos estudos anteriores sobre o tema teve como foco somente os efeitos positivos do isolamento social, e não os negativos, na tentativa de legitimar as medidas de isolamento mostrando apenas o que ele supostamente alcançou de positivo.

Evidencias empíricas mostram aumento de mortes em virtude do isolamento

É de se esperar controvérsias e opiniões contrárias sobre os estudos feitos pelos especialistas da Universidade de Pernambuco, porém o trabalho, de acordo com os próprios pesquisadores, “fornece evidências empíricas que sugerem fortemente que, pelo menos no Brasil, a adoção de medidas restritivas para aumentar o isolamento social, tiveram fortes impactos negativos para a população em relação a pandemia”, relato dos próprios pesquisadores.

A matéria do site revela também que a Universidade de Stanford apresentou resultado semelhante em outro estudo realizado em dezembro de 2020 baseado em estudos dos docentes brasileiros. Ficou claro no trabalho de Stanford, que o lockdown não diminuiu a proliferação do vírus.

O site lembra ainda que o presidente da OMS, Tedros Adhanon “já havia falado sobre o problema da pobreza e o do caos econômico por conta dos bloqueios do comércio”, assunto que virou tabu na mídia e na ciência que nega o tratamento precoce. A mesma que sugere aos médicos, mandar pacientes com suspeita de Covid-19, voltar para casa e esperar a doença agravar-se utilizando apenas Paracetamol.

Mídia desconsidera o risco de catástrofe econômica e contraria alertas da OMS

Existe tendência de alinhamento da mídia desconsiderando os efeitos da economia como fator coadjuvante em uma catástrofe ainda pior, a do desemprego e a recessão econômica. Contrariando inclusive a própria Organização Mundial da Saúde que condena o lockdown como método de controle do vírus. A preocupação se justifica em virtude dos efeitos adversos desdobramentos para a saúde de uma crise econômica em escala mundial.

Alertas da OMS sobre os efeitos negativos do Lokdown vem sendo sistematicamente omitidos pela mídia

Efeitos estes que serão catastróficos para as populações menos favorecidas, sobretudo em países do chamados de terceiro mundo, cujas as economias não suportam programas de assistência social por longos períodos. Lembrando que a pandemia já dura 14 meses, e os efeitos nos empregos e nos negócios são dramáticos.

Fonte: www.estudosnacionais.com

José Aparecido Ribeiro é jornalista

Contato: jaribeirobh@gmail.com – WhatsApp: 31-99953-7945 – www.zeaparecido.com.br

Este blog não recebe verbas publicas e precisa de anúncios ou doações.

4 thoughts on “Lockdown aumenta o número de mortes por Covid-19, de acordo com cientistas da UFPE e de Stanford

  1. O próprio Presidente disse em sua LIVE no mês passado, já admitindo a ineficácia da CLOROQUINA E A HIDROXICLOROQUINA, reconhecendo que não passa de um PLACEBO no tratamento da COVID, e a gente ainda ver postagens de pessoas falando de tratamento precoce, como assim, não existe tratamento precoce cientificamente comprovado!

  2. Atitudes erradas de nossos políticos vão levar o nosso país ao caos. Estamos a mercê de esquerdistas poderosos. Se o Tratamento Precoce tivesse sido adotado nos primeiros sintomas da covid ,o Brasil seria exemplo . É muito dinheiro envolvido!!!

    1. Não existe tratamento precoce e profilático, né????
      Me diga: com quais drogas foram tratados os RECUPERADOS??
      Foi com chazinho da vovó, água com açúcar, chá de folha de mamão????
      Se liga…….
      São mais de 10 milhões de recuperados e 200 milhões que ainda não foram contaminados por algum motivo…

      Vacinação começaram a pouco…..

      Detalhe: Vacina “EMERGENCIAL” pode ter eficácia e ou malefícios graves.
      Porque é emergencial?
      Nem preciso detalhar!!!!!!

  3. Verdade! Eu já estou ficando chato, junto com o meu amigo José Aparecido, mas o fato é que o vírus saiu do controle, dada as desinformações à população que passou a não acreditar em mais nada, com a briga do presidente x governadores x prefeitos x mídia esquerdopata x stf (escrito em minúsculo como ele está a merecer), e a não obedecer ninguém. Agora vale a antiga citação de Maquiável: “QUANDO O DIAGNÓSTICO É DIFICIL, A CURA É FACIL, QUANDO O DIAGNÓSTICO É FACIL A CURA É DIFICIL” – isso foi dito há 500 anos. Pois bem, daqui para frente é só o tempo, o senhor da razão, para curar isso junto com as vacinas (se não expandir as cepas), quando vier e o mais certo a IMUNIZAÇÃO DE MASSA, ou seja, aquele cenário onde o vírus contaminará a maioria das pessoas, matando um tanto, para então desaparecer assim como veio… ou então se acomodar em algum hospedeiro, para voltar daqui a pouco. Claro, todos os esforços são válidos, mas nenhum deles será, isoladamente, o suficiente para debelar o vírus. Contribui, com certeza, mas não debela. O FATO É QUE NINGUÉM SABE ABSOLUTAMENTE NADA SOBRE O QUE TEM POR VIR. Então agora chegou a hora de por a ECONOMIA na balança, enquanto ainda tem um tempinho, pois se demorar ela perde toda a “massa muscular” a vitalidade, como já aconteceu com a indústria, e não foi por falta de avisos à presidANTA, dirma. Hoje o Brasil sobrevive graças ao agronegócio. Perdemos totalmente a soberania. Nem vacinas produzimos mais, quer dizer, nem o IFA (Ingrediente Farmacêutico Ativo) que é matéria prima para se produzir a vacina. O que fazemos é por água esterilizada e embalar o IFA. Então senhores PASSAGEIROS e NAVEGANTES: APERTEM OS CINTOS, pois essa guerra vai longe e pode acirrar-se. Ah!: cuide de você e sua família porque os políticos não estão nem ai para você, aliás, eles nem te conhecem… e cá para nós, nem estão afim de nos conhecer…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.