Petrobras vende combustíveis em dólar, mas seus custos de extração e refino do petróleo são em Real. Algo está muito errado

Embora o Brasil seja autossuficiente em produção de petróleo e derivados, são os interesses dos investidores da Petrobras que superam os interesses do povo brasileiro.

Com o litro da gasolina ultrapassando a casa dos R$7, o óleo diesel aproximando de R$6, e o álcool ultrapassando R$5, os desdobramentos disso significam inflação. Na ponta de cada bomba de combustível que abastece milhões de veículos todos os dias quem paga a conta é o povo brasileiros, os que podem e os que não podem. Duas contas, a dos combustíveis nas alturas e a das consequências do seu aumento no poder de compra do Real.

O Brasil está numa encruzilhada e à beira de precipício perigoso se a gasolina continuar aumentando e o gatilho da inflação disparar. Para segurá-la os esforços precisam ser de todos os agentes envolvidos na complicada e decisiva matemática financeira que compõem os preços dos combustíveis: Começando pela Petrobras que possui a exclusividade na produção, na exploração e no refino do petróleo, os Estados onde os derivados são comercializados, e o governo federal com a sua parcela menor do queijo.

Não é segredo para ninguém minimamente informado que o foco da estatal é os seus acionistas. No seu plano estratégico 2021 2025 isso fica cristalino Veja o link: Plano Estratégico para o quinquênio 2021-2025 https://petrobras.com.br/fatos-e-dados/aprovamos-nosso-plano-estrategico-para-o-quinquenio-2021-2025.htm?gclid=Cj0KCQjwwY-LBhD6ARIsACvT72MlbdZdiUDl-aBUq4_oubrNsz0kh65mJPO0Z1thdEpUnkYTTXKelPQaAu-XEALw_wcB. A empresa segue o mercado internacional do dólar e do barril buscando maximização de resultados, redução de custos e melhoria no desempenho da sua gigantesca máquina produtiva.  A Petrobras compra e vende os subprodutos do petróleo em dólar, mas 70% dos seus custos operacionais, incluindo dividendos e super salários que uma casta de servidores recebem por cumprirem suas obrigações, são em REAL.

Embora a palavra intervenção assuste “gregos, troianos e a turma do deixa disso”, uma LUPA na política de preços da estatal é inevitável se não quisermos ver o litro da gasolina ultrapassar R$10 e desencadear uma explosão inflacionária com suas devidas e nefastas consequências para a sociedade brasileira.

Evidente que essa intervenção não pode ser feita nos modelos convencionais, a exemplo do que já foi experimentado no governo Dilma e outros, endividando a empresa para sustentar a política de preços, mas também não pode ser regulada por regras do mercado internacional sobretudo se considerarmos os custos da estatal que são em real. O foco social e estratégico da Empresa cuja maior acionista é o povo brasileiro há de permitir uma brecha para garantir recuo no preço dos combustíveis urgentemente. Como está não é tolerável e não pode ficar.

Foto: Francisco do Conde

Como fazer isso, é a pergunta de US$1 milhão. O fato é que sua missão está sendo deturpada. Além de servir e defender os legítimos e justos interesses de seus investidores, a Petrobras precisa exercer seu poder de regulamentadora dos preços dos combustíveis, pois as riquezas naturais que são matéria prima para os seus produtos são retiradas do subsolo brasileiro e ela não é só uma empresa privada. O mais importante, o país é autossuficiente em petróleo.

A relação dos grandes produtores de petróleo do mundo com o correspondente preço em dólar do litro de gasolina mostra que há algo errado na Petrobras que precisa ser corrigido imediatamente, algo que envolve as alíquotas de ICMS, os custos da empresa, a remuneração de investidores e a diferença entre o que é gasto em dólar, apenas 30% dos insumos para a produção, e os outros 70% pagos em Real.

A Petrobrás precisa defender o interesse dos seus investidores, mas não pode esquecer dos interesses e do papel social que cumpre, ou que deveria cumprir, sendo uma empresa estatal. Nos USA o litro da gasolina custa, US$0.90; Arábia Saudita: 0,62; Rússia, 0,68; Iraque, 0.514; RAD: Emirados Arabes Unidos: 0,664; Irã, 0.060; Kuwait: 0,349; Brasil: 1,14. O mundo está errado e a Petrobras está certa?

Conversei com o empresário, engenheiro e vice-presidente da ACMinas, Ruy Araújo sobre essa equação e ele acha que o maior problema que o pais enfrenta em relação à disparada nos preços dos combustíveis é a galopante inflação.

Foi publicado recentemente o resultado das contas públicas de agosto, com um superávit de 16,7 bilhões e os grandes responsáveis por este superávit foram os Estados com um resultado positivo de 23,5 bilhões, um crescimento na arrecadação de ICMS de 18,5% em um ano, sendo de 40% o aumento de arrecadação do ICMS dos combustíveis, cuja cobrança está dolarizada” relata.

Na opinião do vice-presidente, nenhum especialista em orçamento público seria capaz de prever um aumento de arrecadação de tal magnitude. Ele acha que temos aí uma excepcional e única oportunidade de dar um tombo na inflação, mudando esta absurda dolarização da cobrança do ICMS, com a patriótica colaboração dos governadores e da Petrobras, que tem suas receitas dolarizadas e despesas em reais, havendo campo fértil para uma harmonização no preço, além de um estudo na cadeia de distribuição.

Uma diminuição significativa no preço dos combustíveis, não a insignificante queda de 30% para 25% no ICM dada por exemplo pelo governador gaúcho, teria reflexo imediato na quedas das expectativas inflacionárias, desagradando o mercado financeiro  mas protegendo as atividades produtivas”, relata e conclui dizendo que, “seria uma forma bem mais justa e imediata de controlar o dragão inflacionário do que o tradicional aumento de juros defendida pelos parasitas do mercado financeiro, que significa uma  verdadeira tragédia que já se sente  nas atividades produtivas. Tudo isso com um pequeno sacrifício da arrecadação dos Estados e do resultado da Petrobras”, encerra o especialista.

José Aparecido Ribeiro é jornalista

www.zeaparecido.com.br – WhatsApp: 31-99953-7945 – jaribeirobh@gmail.com

Este Blog necessita de doações ou anúnios para a sua manutenção; Colabore!

3 thoughts on “Petrobras vende combustíveis em dólar, mas seus custos de extração e refino do petróleo são em Real. Algo está muito errado

  1. Não sou expert em economia, muito menos em energia. Entretanto, gostaria que esta questão chegasse aos entendidos no assunto.

    Sou contra regulação de preços, pois uma hora a conta real chega.

    Já se pensou em criar um fundo com os lucros remetidos ao governo federal para flutuar o preço dos combustíveis. Ideia não foi aprovada e, esse caminho se assemelha a regulação artificial do preço.

    Contudo, gostaria de levantar uma pergunta: Por que a Petrobras não investe na produção, distribuição e venda do álcool combustível, com o recurso que hoje temos da empresa no Governo Bolsonaro?

    Como administrador, mas leigo no tema, penso que se aumentarmos a produção e o consumo do álcool, com a imensa frota de veículos flex que temos, pela lei da oferta e demanda, o preço da gasolina e talvez do diesel reduziria em valores mais acessíveis. Desacelerando o aumento em cadeia dos produtos alimentícios e industrializados.

    Além da questão econômica na redução do preço dos combustíveis, imagino que criaríamos a médio prazo, quase que uma outra Petrobras, gerando centenas de empresas ao em torno, milhares de empregos diretos e indiretos.

    Como disse no início, gostaria da opinião de alguém da área específica para uma boa reflexão, antes que o litro da gasolina alcance os 10 reais ao consumidor final.

  2. Desde 2006 o Brasil é autossuficiente em produção de petróleo, tem uma exportação de 64% para a China e 13% para os EUA, isso em dólares.
    O que é de nosso consumo poderá ser em real, mas a Petrobras dona de 13 refinarias que produzem 97% dos combustíveis não facilita a entrada de concorrentes pois isso iria desmascarar os abusos e os interesses dos acionistas.
    Aqui onde moro em Vila Velha centenas de funcionários trabalham embarcados e todos sem exceção são contra Bolsonaro, qual a pergunta, por quê?
    São super salários, abrindo concorrência terão que ser ajustados.
    É muita treta, o antigo presidente tinha salário de 250 mil reais mensais, uma diretoria tbm abusada.
    Isso só existe no Brasil, um empregado ganhando salário mínimo leva 20 anos pra receber esse salário.
    Oito vezes salário do presidente da República.
    Ninguém aceita mexer são vários interesses.
    Nosso maior produtor fica em Paulínia SP.
    Tem que ter mais transparência, número de empregados e salários.
    Despesas e planilhas de custos.
    Jeito tem.

  3. O Povo não é bobo. Impostos Estaduais sempre existiram. Falta Coragem para mudar a Política de Preços. Vou repetir.
    C O R A G E M

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.