Preços dobram nos supermercados e o agronegócio é exaltado como salvador da pátria

Foto: Agroindustrial site

Nas últimas décadas, com o advento da mecanização e tecnologias aplicadas ao campo o agronegócio virou a menina dos olhos da economia brasileira, tomando o lugar da indústria que perdeu espaço para os produtos chineses que inundam o planeta com preços módicos, às custas do sacrifício e da exploração humana naquele pais de 1,4 bilhões de pessoas.

A mesma China que compra o excedente da produção brasileira de grãos, frango, carne, vende para o Brasil de produtos manufaturados até plataformas de perfuração de petróleo. Ela e todos os importadores também são responsáveis pelo que pagamos no caixa do supermercado, e este é o propósito do arrazoado a seguir, tratando a China como o principal comprador de alimentos.

A balança comercial China Brasil é favorável ao país em US$27,6 Bilhões de um total de US$62,87 Bilhões de vendas em 2019. Dados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), mostram que as exportações do agronegócio registraram US$ 10,0 bilhões só em julho de 2020. Números que representam 51,2% do total exportado pelo Brasil.

O bom desempenho do agronegócio tem compensado o recuo nas exportações de produtos industrializados, em queda motivada pela retração global atribuída aos efeitos da pandemia do Covid-19. Vou deixar os números de lado para convidar o amigo leitor que frequenta supermercados periodicamente para uma prosa que não depende de economistas e nem de políticos, mas de bom senso e observação.

Preços de produtos da cesta básica dobram nos últimos e ninguém se manifesta com firmeza

Foto: Prezunic

O número que interessa ao cidadão comum, seja ele rico ou pobre evidentemente com maior significância e efeitos para o pobre, é aquele que fica na gôndola do supermercado debaixo dos sacos de arroz, dos recipientes contendo óleo de soja, dos saquinhos de feijão, do pacote de café e outros que compõem a cesta básica, itens que não podem faltar na mesa do povo brasileiro, em nenhuma hipótese.

É sobre estes itens que nos últimos dias tiveram seus preços majorados alguns em 100% que devemos dedicar atenção para compreender a lógica onipotente do mercado e da política que orienta ou finge não ver suas práticas. Nada justifica em uma semana o saco de 5Kg  de arroz passar de R$15 para R$42; o litro de óleo de soja saltar de R$3,5 para R$6. O mercado é livre, o que determina o preço é a oferta x a demanda. Porém, o que estamos assistindo, em silêncio, é crime contra a humanidade, e isso não pode ser tolerado por ninguém, inclusive nós.

Como explicar para um cidadão comum que assiste na TV que o seu país é o maior exportador de grãos, carne bovina e de frangos do mundo se os preços destes produtos na gôndola do supermercado de uma hora para outra dobraram de preço e estão sujeitos a desaparecer? Que lógica é essa que em nome do lucro de um setor da economia, justifica a privação de milhões de pessoas a itens que nunca faltaram com preço justo na mesa de casa?

Se para ser o agronegócio o carro chefe das exportações o custo é o sacrifício de gente inocente, algo está errado na matemática da balança comercial e do agro-business brasileiro. Isso mostra que não é o excedente que está sendo exportado para alimentar bocas humanas do outro lado do planeta, a preço de ouro, mas a produção que abastece os lares brasileiros.

O povo espera do Presidente Jair Bolsonaro reação à altura e URGENTE.

Alguém está ganhando para que a maioria do povo pobre perca na hora de comprar o sagrado alimento. Não adianta estufar o peito com orgulho para gritar que o agronegócio é a salvação do país se ele sacrifica gente inocente e indefesa. O presidente Jair Bolsonaro tem se declarado um liberal, respeitador do livre mercado, porém não pode ser omisso e nem fechar os olhos para as práticas abusivas registradas nas gôndolas de supermercados nos últimos dias.

Omissão também é crime inaceitável e intolerável. Pedir patriotismo não basta, sobretudo quando o que tem por trás dos aumentos são interesses políticos velados e inconfessáveis.

José Aparecido é Jornalista e escreve sobre assuntos urbanos.

Contato: jaribeirobh@gmail.com – WhatsApp: 31-99953-7945

Ajude a manter esse blog se você gostar do conteúdo. Doe para sua manutenção qualquer valor.

8 thoughts on “Preços dobram nos supermercados e o agronegócio é exaltado como salvador da pátria

  1. Há quem informe que as safras de soja até 2022 foi toda vendida para a China com pagamento antecipado. Se isto é verdade, provavelmente as de arroz e feijão, que constituem a base da alimentação do brasileiro também.
    Que o mercado seja livre, concordo, desde que haja o compromisso de existir reserva de alimentos para atender o povo brasileiro. Que só se venda o excedentes, claro.

  2. Estamos nos esquecendo que o agronegocio também sentiu à situação de paralisar o Brasil afetando toda à economia embora o próprio povo brasileiro ajudou aos de baixa renda atraves do governo federal com o auxílio de 600,00 e outros mais. O Brasil tem condições de produzir alimento para o mundo só que temos que lembrar que a fome no nosso país não e por falta de comida e sim de renda. Temos que fazer uma prestação de serviço que possamos receber o suficiente para que possa viver com dignidade. O agronegócio gera milhões de empregos direto e indiretamente portanto o livre comércio é muito importante. Parabéns ao governo Bolsonaro. Vamos evitar o roubo político.

  3. NOSSO PRESIDENTE PRECISA TOMAR PROVIDÊNCIAS A RESPEITO DESSES AUMENTOS ABUSIVOS, POIS VAI VIRAR LOUCURA. SE COM AUXILIO EMERGÊNCIAL DE 600 NAO TAVA DANDO PRA COMER AGORA COM 300 PIOROU. O POVO TA SENDO VITIMA DE AUMENTO SALÁRIO QUE SE FOSSEHOJE 3500 REAIS VÁ LÁ, MAS NÃO É O CASO. QUANDO O TRANQUEIRA DO LULA TAVA NA PRESIDENCIA DIZIA QUE QUANDO TERMINASSE SEU MANDATO O SALARIO ESTARIA NA CASA DOS R$1500. OLHA QUANTO TEMPO NAO NAO ESTA MAIS NO PODER E O SALÁRIO MINIMO É POUCO MAIS DE R$1.000. BONSONARO TEM QUE TOMAR PROVIDENCIA POIS É INADMISSÍVEL OLEO DE SOJA QUE CUSTAVA HA 3 MESES R$1,90 AGORA TA R$7. É LOUCURA ESSE AUMENTO DOS ALIMENTOS. ABSURDO ESSES ROUBOS. VAMOS TODOS SAIR NA RUA TIRAR ESSES LADROES DO GABIBETES, COMEÇANDO POR MAIA, QUE TEM CARA DE SANTO MAS É UM PICARETA. NINGUEM PRESTA LA SÃO TODOS DO MAL. DEPOIS DA ELEIÇÃO COLOCAM SEUS FILHOS, MAE MULHER ETC. DE MESARIO NA ESCOLA DIA DA ELEICAO POVO NAO DEVEEIA SAIR PRA VOTAR PRA NINGUÉM E DAR UMA LIÇÃO NESTES DESONESTOS.

  4. Os Sertões do Leste agradecem a essa humana e corajosa denúncia contra a pecuária extensiva e o agrobusiness!

  5. COM CERTEZA NOSSO PRESIDENTE
    FARÁ O QUE ESTIVER AO SEU ALCANCE PARA AMENIZAR A SITUAÇÃO…MENOS O TABELAMENTO, QUE NÃO COMBINA COM A POLÍTICA DE LIVRE MERCADO.
    TEMOS QUE DELIBERAR TAMBÉM QUE MUITOS PREÇOS ESTAVAM ABAIXO DO MERCADO, SACRIFICANDO O PRODUTOR!

  6. Sou das que pensam que a China é responsável pelo nosso desabastecimento e alta dos preços. Assim como tencionamos nos livrar dos políticos corruptos também devemos dar um cheque mate nesse importador inconveniente, mesmo que as custas de algum prejuízo. Outras potências estão de olho nos nossos produtos.

  7. Que bom que você escreveu sobre isso, porque ontem mesmo falávamos sobre a alta dos preços dos produtos nos mercados.
    Tomara que o Presidente fique atento a isso, pois o povo brasileiro tem sofrido demais.
    Antes de pensar em 2022, é preciso pensar no hoje.

  8. Aparecido, é simples como tu falou lei da oferta e procura, deixem de incentivar o IBama Fundação Chico Mendes, ONGS , de impedir o crescimento do nosso agronegocio que vamos aumentar a oferta, e logo teremos redução de preços, nos produtores somos tratados pela grande imprensa como Bandidos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.