Presença da Marinha do Brasil no Lago de Furnas é garantia de soberania e proteção estratégica

Foto: Assessoria Imprensa – Marinha do Brasil – Capitania dos Portos de MG

Marinha do Brasil encerra no próximo domingo (4) operação de adestramento no Lago de Furnas. Durante 12 dias, 186 militares do 3º Batalhão de Infantaria de Fuzileiros Navais e 130 militares do Grupamento de Fuzileiros Navais do Rio de Janeiro, fizeram manobras para reconhecimento do terreno, aperfeiçoamento e demarcação de território no Lago que é um dos maiores do mundo. O local tem grande potencial turístico para Minas Gerais e para o Brasil. Furnas é um Oasis de oportunidades não só no campo da energia elétrica e fotovoltaica, mas, sobretudo no promissor universo do turismo.

A hidrelétrica tem capacidade para produzir 1.216 MW, em oito unidades, o que significa 1/3 de toda a energia consumida no Brasil. A área alagada possui um espelho d’água de 1.440 km/2. Poucos lagos possuem tamanho e potencial para o turismo com sol a pino o ano inteiro. Inaugurada em 1965, a obra, na ocasião, foi a maior da América Latina e obrigou 35 mil pessoas que moravam no raio de inundação da represa a mudarem de endereço. A pequena cidade de Fama, por exemplo, foi totalmente alagada e precisou ser reconstruída. O mar de Minas, como é conhecido, banha 34 municípios mineiros.

Foto: Acervo Marinha do Brasil – Presença dos Fuzileiros nos Canyons de Furnas

A localização estratégica no mapa do Brasil exige atenção das forças de defesa, sobretudo no momento em que a privatização da empresa caminha para concretização. Energia e recursos hídricos são pontos nevrálgicos em qualquer país, e o mapeamento, bem como o conhecimento do território pelas forças armadas são fundamentais. Cabe a Marinha defender o território não apenas na costa marítima do Brasil, mas também dentro do continente onde os rios e lagos exercem papel estratégico de defesa.

As manobras ocorreram entre 21 de setembro e 4 de outubro, ocasião em que foi realizado adestramento de “Operações Ribeirinhas” no território dos municípios de Capitólio, São João Batista do Glória e São José da Barra (MG). O adestramento militar visa à manutenção do aprestamento (preparação para combate, embarque) do componente anfíbio na segurança em ambientes fluviais e contou com a participação de militares do 3º Batalhão de Infantaria de Fuzileiros Navais e do Grupamento de Fuzileiros Navais, que podem ser acionados imediatamente em caso de necessidade.

Foto: Acervo Capitania dos Portos de MG – Fuzileiros Navais em manobras no Lago de Furnas

Foram conduzidos exercícios de retomada de território terrestre pela Força de Desembarque Ribeirinho, evacuação de feridos, proteção da barragem da represa, além de instruções teóricas e práticas de segurança para atividades de Inspeção Naval.  A manobra serviu para testar a ação e a prontidão dos militares em uma situação de emergência e a capacidade logística diante de um cenário hipotético adverso. A PMMG foi convidada e compareceu, participando em conjunto das operações.

Foto: Assessoria de Imprensa – Marinha – Fuzileiros do 3o Batalhão de Infantaria dos Fuzileiros Navais

Os Fuzileiros contaram com apoio logístico da Hidrelétrica de Furnas, incluindo alojamentos, rancho e claro, informações estratégicas que só os engenheiros de Furnas possuem face ao domínio da área desde 1961, data do início da obra. As operações foram comandadas pelo Capitão de corveta e delegado fluvial de Furnas, Fábio Luiz Bambace.

 

Foto: Revista Exclusive – Capitão de Mar e Guerra Nicácio Sátiro Araújo – Comandante da Capitania de MG

O efetivo de militares faz parte do 1º Distrito Naval comandado pelo Vice-almirante Arthur Fernando Bettega Correa que esteve no local dia 22 próximo passado. A Marinha tem marcado posição no território mineiro oficialmente há mais de um século, mas desde dezembro de 2018 inaugurou na capital, a sede da Capitania Fluvial de Minas Gerais sob o comando do simpático e competente Capitão de Mar e Guerra Nicácio Sátiro de Araújo, um verdadeiro marujo nascido em Espinoza-MG, mas  criado no Rio de Janeiro, onde fez brilhante carreira na Marinha do Brasil.

José Aparecido Ribeiro é jornalista em Belo Horizonte

Contato: jaribeirobh@gmail.com – WhatsApp: 31-99953-7945

4 thoughts on “Presença da Marinha do Brasil no Lago de Furnas é garantia de soberania e proteção estratégica

  1. Nossos políticos mineiros não tem compromisso nenhum com o lago. Com um potencial turístico enorme deixam nossas águas vazarem para abastecer São Paulo chegando a ficar 17 metros abaixo de seu mínimo. Poucos brigam ou fazem movimentos para limitarem está saída de água. Desde governo Dilma para não subir conta de luz permitiu uma baixa que até hoje não consegue recuperar. Mesmo ano passado com todas lagoas no seu limite total de água, Furnas ficou abastecendo outras cidades. O governo de Minas tem que lutar para não deixar a represa agonizando para encher outros rios como o Rio Grande que nesta época está lindo e cheio graças a Furnas que sacrificada. George Normam foi um visionário do lugar mas infelizmente depois que faleceu nada aconteceu. Existe um pequeno movimento de um vereador neste sentido espero que consiga ser ouvido.

  2. Parabéns pela significativa reportagem, o Brasil que se cuide afinal as forças nacionais estão aí pra isso.

  3. Parabéns Marinha, a proteção deste gde patrimônio brasileiro é sim dever militar.
    Infelizmente tem pessoas que acham que são as proprietários de tudo.
    Intimidam e confrontam.
    Agora a população deve aprender a conviver em harmonia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.