Terremoto no Haiti mobiliza os Médicos Sem Fronteira e eles precisam de ajuda

Médicos Sem Fronteira – MSF precisam de ajuda no Haiti para socorrer vítimas de terremoto

Um terremoto de magnitude 7,2 atingiu a região Sul do Haiti, na manhã do último sábado (14). As províncias mais afetadas foram as de Grande Anse, Nippes e Sul. Até ontem o numero de mortes havia passado de mil e mais de 6 mil pessoas estão feridas, de acordo com o Escritório de Proteção Civil do país. Várias áreas do Haiti permanecem isolados sem acesso para as equipes de resgate. Isso significa que o número de mortes e feridos pode ser muito maior.

A destruição da infraestrutura, incluindo instalações médicas, é grande e as equipes de resgate estão com dificuldades para iniciar o socorro às vítimas que ainda estão vivas. De acordo com informações do Escritório Central de Defesa Civil hospitais tiveram que evacuar seus pacientes, e outros não têm equipamentos médicos e medicamentos.

Se não bastasse, tremores secundários e deslizamentos de terra causaram danos adicionais pegando de surpresa socorristas e voluntários que atuam na assistência às vitimas. Informações do centro de controle de furacões dos EUA, dão conta de que uma depressão tropical, Grace, deve atingir ainda hoje as áreas afetadas com fortes chuvas, ventos de furacão e tempestades.

Médicos se deslocam de várias partes do mundo para Grand Anse, Nippes e Sul

Acionados logos nas primeiras horas após o terremoto equipes de MSF baseada em Port-à-Piment e uma equipe médica de emergência de Porto Príncipe iniciaram atendimento aos feridos. Uma estrutura hospitalar que presta assistência em Port-à-Piment, local que os Médicos sem Fronteira já atendia, foi danificado. A maioria são vítimas que recebiam atendimento à saúde materna. As pacientes, foram evacuadas para tendas montadas pelos MSF.

Os feridos chegam a todo momento e os MSF juntamente com parceiros de resgate fazem os procedimentos de estabilização dos feridos, oferecendo cuidados cirúrgicos e de acompanhamento. Falta suprimentos médicos e equipes para atuar no hospital geral.

Como os acessos às áreas atingidas pelo terremotos forma interrompidos, sobretudo nas proximidades de Les Anglais, os pacientes precisam ser transportados entre dois veículos diferentes, tornando a viagem ainda mais difícil.

As equipes dos MSF levam suprimentos para os hospitais e são compostas de médicos cirurgiões e enfermeiras, que prestam os primeiros socorros. Outras equipes avaliam a situação em Baradères e Petit Trou em Nippes, e informaram que há feridos graves aguardando atendimento.

Há planos para reforçar assistência às vítimas e equipes partem de várias partes do mundo com destino ao Haiti. Os MSF possuem equipes multidisciplinares para atuação neste tipo de enfrentamento e todo o suprimento da organização não governamental se dá por meio de doações, incluindo a logística de transporte e remuneração de profissionais que se prestam ao trabalho.

Nota da Organização Médicos Sem Fronteiras

“MSF está presente no Haiti há 30 anos. Nossas atividades regulares continuam, incluindo o hospital Tabarre em Porto Príncipe, onde MSF trata pacientes gravemente queimados e também pessoas com ferimentos potencialmente letais. MSF também oferece cuidados de saúde materna e sexual e reprodutiva em Port-a-Piment, na província de Sul, e apoio a vítimas de violência sexual e de gênero em Porto Príncipe e Gonaïves. Depois de mais de 15 anos, MSF foi forçada a fechar seu centro de emergência em Martissant, Porto Príncipe, depois que um grupo armado disparou contra a instalação no dia 26 de junho, colocando a equipe médica e os pacientes em risco. No início do ano, MSF foi forçado a realocar seu hospital para queimaduras de Drouillard para Tabarre devido à insegurança.”

  • Créditos de Foto: Site Médicos Sem Fronteira

José Aparecido Ribeiro é jornalista

Contato: jaribeirobh@gmail.com – WhatsApp: 31-99953-7945 – www.zeaparecido.com.br  

As doações podem ser feitas pelo site: www.msf.org.br 

One thought on “Terremoto no Haiti mobiliza os Médicos Sem Fronteira e eles precisam de ajuda

  1. Temos que ajudar os irmãos. Eu não sei para que serve uma ONU, um Vaticano quando pessoas já sofridas são acometidas de um desastre natural desta proporção e o mundo se cala. Não sei quando nos perdemos de nos mesmos. Não sei se foi quando paramos de acreditar em Deus. Esfriaram os corações tornaram se pedras. Pelas imagens vemos como precária está o atendimento. Que Deus abençoe os profissionais que dão sangue por esta causa.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.