Vacina experimental pode ser pior do que a decisão de não vacinar

A Vacinação no curso de uma pandemia contraria o que se sabe de imunologia e virologia

POR: Dr. Eduardo Leite – Médico Cirurgião e estudioso da Covid-19

A vacina não é tratamento curativo, o que ela tenta fazer é evitar à doença. Portanto, vacinar no curso de uma pandemia resulta em maior número de mutações do vírus, registra-se.

Outro fator que parece não incomodar os representantes da “ciência” de ocasião, é vacinar em massa com uma vacina EXPERIMENTAL, cujos efeitos  colaterais a médio e em longo prazo são desconhecidos e imprevisíveis.

Nenhuma vacina ao longo da história foi desenvolvida e aplicada em larga escala no período de quatro meses, registra-se. O bom senso sugere que a valorização do paciente e seu acolhimento é um dos elementos mais importantes no processo da cura.

Com efeito, é fundamental que entre médico e paciente se estabeleça uma relação de confiança mutua, e para isso o médico precisa de autonomia em suas condutas, o que vem sendo ameaçado nos últimos meses, registra-se.

Considerar medicamentos como principal MEIO para o processo da cura é um erro pautado e que tem respaldo nos interesses da indústria farmacêutica. Só não vê quem não quer ou tem compromissos com esse arranjo maquiavélico, registra-se.

Claude Bernard já dizia, com a expertise do gênio que foi lá no século XIX: “A importância  do equilíbrio homeostático na prevenção das doenças faz grande diferença na cura”.

No sentido oposto, o também genial Louise Pasteur afirmava: “Os vírus e as bactérias são os principais elementos que desenvolvem as doenças”, desmerecendo o tal equilíbrio homeostático de Claude Bernard. Não seria por muito tempo.

Aceitável, para quem desconhecia a importância e a influência da psique do paciente nesse intrincado processo de cura. O tempo precisou exercer sua sábia influência para que Louise Pasteur reconhecesse e viesse a concordar no seu leito de morte que de fato é o equilíbrio homeostático que exerce a maior influencia na cura.

As leis, ou os princípios básicos da Medicina não mudam. O homem daquele tempo, em sua essência, permanece o mesmo. Já os que pela ciência se predispõem a falar, correm o risco, por ignorância ou por conflito de interesses, de cometerem erros, não raro, por desconhecerem a história da evolução e a essência da medicina.

Médico algum que honre o juramento de Hipócrates pode  ser pautado pelos interesses vorazes da indústria farmacêutica. Ao contrário deve se guiar em suas condutas pelas  observações clínicas e experiências  adquiridas que levem em conta o homem, o corpo e a mente. Estes sim estarão exercendo a boa medicina.

Esse será o tema da nossa live da próxima segunda-feira 4/10, às 20.30.

Dr. Eduardo Leite é membro do Movimento Médicos pela Vida

CRM-BA 4165

#somostodosdrliwenliang
#medicospelavida
@dreduardoleite

José Aparecido Ribeiro é jornalista

www.zeaparecido.com.br – WhartsApp: 31-99953-7945 – jaribeirobh@gmail.com

Este blog necessita de anúncios ou doações para a sua manutenção, participe doando ou anunciando aqui!

Comentários
By zeaparecido

José Aparecido Ribeiro é Jornalista, Bacharel em Turismo, Licenciado em Filosofia e MBA em Marketing - Pós Graduado em Gestão de Recurso de Defesa

Notícias relacionadas