Viagens Master joga a toalha e pede recuperação judicial depois de 300 dias de lockdowns inúteis em BH

Turismo de BH agoniza:  Depois de esperar bom senso de autoridades municipais que não vem, a Viagens Master pede recuperação judicial, e justiça aceita 

Mais uma baixa nesta quarta-feira 31 de março de 2021 é anunciada, desta vez a vítima não é humana, mas empresarial e trata-se de uma das mais bem sucedidas operadoras de turismo de Minas Gerais, a Viagens Master, empresa do português radicado brasileiro, Fernando Meira. A data é de tristeza ainda maior pelo anuncio da morte do ex-deputado estadual Ivair Nogueira, um defensor do turismo.

A má notícia dada no início da noite foi o pedido de recuperação judicial de mais uma empresa que não suportou o maior e mais extenso lockdown do mundo, o de Belo Horizonte. A Master tem história de sucesso no ramo de viagens. Fernando Meira, seu fundador, é um exímio administrador, construiu reputação e sucesso que lhe confere título de embaixador de Minas Gerais em Portugal.

Por décadas a Master mantém compromissos em dia com o trade turístico

Foto: Acervo Master Turismo Internet

Por décadas manteve-se firme junto ao trade turístico e sua cadeia de fornecedores, honrando compromissos. Ninguém jamais imaginava que a pandemia pudesse fazer tamanho estrago no setor de turismo. Por décadas a operadora foi referência, endereço de viajantes, de empresários organizadores de eventos e profissionais da envergadura de Francesco De Mingo que nos deixou na semana passada vítima da Covid-19.

Com a pandemia e a redução de viagens a cadeia produtiva do turismo despencou, e não deixou alternativa se não o pedido de recuperação que foi concedido pela justiça. De acordo com nota divulgada nesta quarta-feira (31) a direção deixa claro que “trata-se de uma Recuperação Judicial, um tempo que a justiça concede à empresa para que ela se recomponha financeiramente e promova os ajustes necessários e volte ao mercado em condições até melhores do que antes, na oferta de seus produtos e serviços”, alegou o Ceo da Master.

Empresa esperava reação do mercado que não veio

Foto: Acervo Master Turismo Internet

A nota diz ainda que: “durante mais de 12 meses, fizemos o possível para nos manter ativos e honrar todos os compromissos assumidos, cortando custo, alterando rotinas e processos, negociando prazos e contratos, na esperança de ver o mercado e a vida voltarem ao normal. Infelizmente o que seu deu foi exatamente o contrário”… Belo Horizonte está fechada há mais de 300 dias provando que lockdown não funcionou.

As pessoas continuam morrendo e com elas a economia do município que já cambaleava antes da pandemia e agora agoniza. Ao invés de preocupar-se com a infraestrutura de saúde, o prefeito faz política, briga com o governador, com o presidente da República, alia-se com a esquerda e desativa leitos. Dos 700 leitos de UTI anunciados em março de 2020, a cidade conta com apenas 292.

2,7 milhões de habitantes e apenas 292 leitos de UTI, o colapso é certo.

Evidente que para uma população de 2,7 milhões que atende também a municípios do colar metropolitano, o número é insuficiente. De cada três pacientes atendidos no sistema de saúde da capital, dois são de cidades vizinhas. Em setembro de 2020 o Estado desativou mais de mil leitos no pavilhão de feiras do Expominas, Hospital de Campanha que foi montado com ajuda da iniciativa privada, verbas federais e que hoje estaria sendo essencial para evitar o lockdown.

Foto: Acervo Governo de Minas

Enquanto cidades menores do que Belo Horizonte avançam na imunização da população, vacinando a faixa etária dos 69 anos, como é o caso de Betim. BH não consegue organizar o sistema, sacrifica idosos de 80 anos em filas quilométricas quando deveriam estar em casa isolados protegidos dos riscos de contaminação. Tudo isso diante do silêncio da CMBH, do MP, de entidades empresariais, sindicatos e da população aterrorizada pela mídia a serviço dos projetos políticos do prefeito, e às expensas do povo belo-horizontino.

José Aparecido Ribeiro é jornalista e presidente da Abrajet-MG

Contato: jaribeirobh@gmail.com – WhatsApp: 31-99953-7945 – www.zeaparecido.com.br

IMPORTANTE LEMBRAR QUE A MASTER TURISMO SEGUE FUNCIONANDO NORMALMENTE E ATENDENDO VIRTUALMENTE.

Este blog de notícias e opinião não recebe verbas publicas, mas precisa sobreviver e necessita de anúncios ou doações. Colabore com qualquer quantia!

6 thoughts on “Viagens Master joga a toalha e pede recuperação judicial depois de 300 dias de lockdowns inúteis em BH

  1. Vencer a Pandemia é combater o inimigo com investimentos em emprego, renda saúde, segurança e educação. Ao contrário estamos acovardados e escondendo sob política suja. Estamos negando tratamento precoce, opcional e, sucateando nossa saúde e economia, pra gerar caos total e mudança presidencial, através da destruição dos empresários micro ao macro. Estamos esmagando totalmente nossa economia informal. Já que não temos instruções dignas aos jovens brasileiros. Só sairemos dessa com união e alijamento da corrupção e fortalecimento educacional verdadeiro de toda população. Assim penso eu. Vanderlei Saraiva. Veterano em BHte MG. Obrigado. Abraços. Abri de 2021 !!!

  2. É inacreditável o que estamos vendo e vivendo. Fernando Dias, um grande empreendedor e empregador no Brasil não merecia estar passando por isso. Mas haverá de dar a volta por cima. Os frutos do alto nível de empreendedorismo que veio de Portugal para aplicar no Brasil e engrandecer BH haverão de ser colhidos!

  3. A economia de BH é essecialmente terciária ( serviços) , comercial e com nível industrial baixo. O segmento industrial o mais importante , localiza- se no entorno da capital , nos municípios de Betim, Contagem, Vespasiano , Pedro Leopoldo , dentre outras.
    As indústrias tiveram nessa pandemia um número menor de dias parados do que o setor de comércio e serviços.
    É de se esperar que a Capital venha sofrer economicamente nós próximos meses ou anos , pois com o desemprego aumentando , trazendo queda de renda e perda do poder de compra , inflação se elevando e quebra de muitas empresas , prenunciam situação extrema para a economia belorizontina. O que assistimos?
    Com a situação crítica da pandemia a saúde merece e requer toda a atenção , mas a PBH deveria criar um programa amplo de ajuda a economia , com políticas para amenizar os problemas enquanto caminha a vacinação. Mas não vemos nada disso , mas sim cada dia mais restrições sem nenhuma política compensatória.

  4. A corja que domina a administração de BH segue determinada em falir todos responsáveis pela geração de desenvolvimento da economia. É desanimador pois quando parecia que 2020 teria sido um péssimo ano, eis que 2021 está sendo pior ainda.

  5. É uma firma comercial atrás da outra sofrendo com os abusos de prefeitos e governadores orquestrados com o STF. Pessoas passando fome, literalmente, desajustes, estresses, desequilíbrios como se estivemos vivendo em um pesadelo sem fim, do qual queremos que alguém nos acorde logo, ao ver nosso sofrimento.
    Mas, infelizmente estamos todos no mesmo barco. Quem se firma na fé é sustentado por ela, e isso traz um pouco de alívio.
    Mas essa situação apresentada por você está por todo país, onde várias pessoas estão se reinventando, se virando como podem. Uma realidade triste e que esperamos que termine logo, antes que destruam nossa nação.

  6. Nunca irá funcionar. O péssimo que já foi feito no passado. Repetir e realmente ignorância. Covardia do Prefeito de BH.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.