Zema vai a Brasília garantir vacina para MG. Kalil prefere bater na porta de Dória por pirraça

 

Ao contrário do prefeito birrento de Belo Horizonte, o governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), publicou há pouco em sua página no Twiitter um vídeo ao lado do secretário de Estado de saúde, Carlos Eduardo Amaral, anunciando encontro com o presidente Jair Bolsonaro em Brasília, no lançamento do Plano Nacional de Imunização contra o Coronavírus.

No vídeo o governador de Minas, que é o mais bem avaliado do Brasil fala: “Bom dia! Estou indo a Brasília para reunião com o presidente Bolsonaro e demais governadores para a cerimônia de Lançamento Oficial do Plano Nacional de Imunização contra a Covid-19”. E segue destacando ainda que “todo mineiro merece ser tratado com justiça e receber a vacina”. Na mesma publicação postado na manha desta quarta feira (16), o secretário de saúde disse que “tem uma expectativa muito grande” e que “Minas Gerais já está pronta para distribuir a vacina”.

Minas, vale lembrar, é o estado com o menor índice de contaminação e mortes per capita do país por Covid-19. O sucesso é reconhecido nacionalmente e deu a Zema o status de governador mais bem avaliado do Brasil. Sempre discreto, o governador não se deixa influenciar pelo ativismo da imprensa, e por isso quase não é convidado para entrevistas ao vivo.

Kalil quebra pacto federativo e busca “ajuda” em São Paulo

Foto: Acervo Metópole – João Dória Jr e Alexandre Kalil

Ao contrário do governador, o prefeito da capital Alexandre Kalil (PSD), em ato de rebeldia desnecessária, vai a São Paulo encontrar com o maior inimigo político de Bolsonaro, o Governador de São Paulo João Dória Jr. (PSDB). O encontro foi na terça-feira (15). O conteúdo da reunião de acordo com fontes na PBH é garantir com o instituto Butantan, unha e carne com o governo paulista, doses da vacina chinesa para população belo-horizontina.

O acordo prevê lotes da vacina Chinesa, do laboratório Cinovac, nos postos de vacinação da capital mineira.  Com efeito, o que Kalil não sabe com clareza é se o dinheiro investido na “parceria” não corre o risco de ir para o ralo, pois há quem diga que a rejeição a vacina produzida no Instituto Butantan com insumos chineses, vai ser bem recebido pela população de BH, que apesar de anestesiada, não está morta. Pelo menos parte dela…

Notícias vindas da China dão conta de que a vacina produzida para imunização da população Chinesa não é a mesma produzida pela Sinovac, mas de outros laboratórios com nacionalidade Americana e Alemã. A vacina de Dória com os sócios chineses não serve ao pais asiático, mas servirá aos paulistas e belo-horizontinos.

O argumento do prefeito de BH para a visita ao Palácio Bandeirantes é garantir um plano B, insinuando que o governo federal vai distribuir as doses de vacina contra o vírus chinês seguindo preferências pessoais do presidente da República, e não de acordo com critérios do Ministério da Saúde. Ou seja, Kalil acaba de mandar as favas o pacto federativo e age em BH como um rei, quando o correto seria agir como prefeito cuja cidade é uma capital de um estado que compõe uma federação republicana.

José Aparecido Ribeiro é jornalista em Belo Horizonte

Contato: jaribeirobh@gmail.com – WhatsApp: 31-99953-7945 – www.zeaparecido.com.br

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.