Artigo do Deputado Diniz Pinheiro sobre Mobilidade – Estado de Minas de 13/02 – revelando lucidez.

Muito bom o artigo do Presidente da Assembleia Legislativa de MG, o Deputado Estadual Diniz Pinheiro sobre mobilidade urbana, publicado no caderno opinião de 13/03. Suas ponderações trazem conhecimento de causa e consciência de que não podemos mais esperar pelas ações Federais que não chegam a tempo de evitar o colapso do sistema de trânsito e transporte da região metropolitana, com impactos imprevisíveis e graves em Belo Horizonte.

 

Ao abrir um Fórum permanente de debates e estudos, a ALMG dá um passo importante, pois é sabido que as prefeituras que compõem a Região Metropolitana, com destaque para as 13 cidades que estão ao redor de BH, não tem recursos para fazer as obras que são necessárias para melhorar a fluidez entre elas e a Metrópole. Belo Horizonte hoje precisa de mais de 150 obras para eliminar gargalos e sozinha, não dará conta de resolver o problema.

 

A capital é porta de entrada do Estado e precisa estar preparada para receber quem chega a turismo ou quem vem para fincar raízes e trazer investimentos. Mobilidade hoje é fator decisivo para escolha de locais para investimentos. Ninguém mais quer viver em uma cidade onde não há fluidez no transito ou não tenha transporte publico de boa qualidade. Os modais escolhidos pela PBH para enfrentar o problema não são suficientes e terão que ser complementados.

 

Com efeito, a cidade comporta pelo menos 3 linhas de Monotrilhos, a exemplo de São Paulo. O VLT é ideal para a região da Pampulha e para as partes baixas da Região Leste. Fica cada vez mais claro a necessidade de desenvolvimento de um novo modelo de carrocerias de ônibus adaptadas ao nosso clima e a topografia acidentada de BH, que é única no Brasil. Os ônibus, é importante que se diga, não sairão de cena, ao contrário, terão papel fundamental na integração destes vários modais. Metrô, BRT, Monotrilho e VLT.

 

Metro, todo mundo sabe, se sair do papel, levará muito tempo. Um tempo que não temos para evitar o colapso que já é realidade. Portanto, além do BRT, o modal Monotrilho, em se tratando de transporte intermunicipal é a melhor opção para BH, Contagem, Betim, Vespasiano e Lagoa Santa. Tomara que a ALMG consiga vencer os entraves políticos e as forças ocultas, para que o quanto antes as obras que poderão melhorar a vida de quem se desloca destas regiões, ocorram. Parabéns Deputado Diniz Pinheiro pela lucidez revelada em seu artigo.

 

José Aparecido Ribeiro

Consultor em Mobilidade e Assuntos Urbanos

Presidente do Conselho Empresarial de Política Urbana

Fundador do Movimento SOS Mobilidade Urbana

CRA MG 0094/94

31-9953-7945

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.