Gargalos de BH: Pedro II com Anel Rodoviário, caos diariamente

Belo Horizonte tem pelo menos duas centenas de gargalos crônicos que esperam por obras de arte da engenharia há mais de 30 anos. Mas elas dependem de decisões políticas e compromisso de agentes públicos acomodados, que por sua vez esperam por aposentadoria na SUDECAP e na BHTRANS. Para quem não sabe o que é um gargalo de trânsito, eu explico.

Gargalo é um local onde o trânsito é interrompido sempre nos mesmos horários, impedindo a fluidez do tráfego e contribuindo para aumentar o estresse, poluir o meio ambiente e em especial para revelar o tamanho dos homens que nos governam nas três últimas décadas. Alguns gargalos saltam aos olhos de qualquer cidadão mais atento.

Vamos começar nesta oportunidade com um ponto conhecido na Região Noroeste da Capital, local onde a Av. Pedro II cruza com o Anel Rodoviário. Este é daqueles gargalos cuja estrutura da via grita por soluções que não vem, ainda que o tempo perdido ali diariamente custe muito mais caro do que as possíveis soluções de engenharia.

Quem projetou o viaduto do Anel Rodoviário sobre a Av. Pedro II pensou no futuro e lembrou que a cidade cresce sem parar, pois deixou uma calha com mais de 50m de largura em três vãos de aproximadamente 15m, e um canteiro central com mais de 20m. Porém, quem nos governa hoje não tem o mesmo pensamento, tampouco o compromisso daqueles que projetaram a Av. Pedro II, o Anel Rodoviário e os loteamentos que viraram bairros enormes nos últimos anos.

A cidade cresceu, mas o nível dos governantes encolheu. Fossem um pouco mais comprometidos, menos medíocres, respeitassem o meio ambiente, tivessem um pouquinho mais de competência, os homens que são pagos para pensar a cidade, já teriam aproveitado o canteiro central da Av. Pedro II para fazer uma trincheira, liberando o tráfego da Pedro II e da Av. Tancredo Neves. Não é uma obra cara, falta apenas respeito pelo contribuinte.

Lembro ainda que este gargalo infernal afeta a vida de moradores de pelo menos 20 bairros, com destaque para o Alípio de Melo, Castelo, Ouro Preto, Jardim Montanhês, Jardim Alvorada, Vila São José entre outros, aumentando o tempo de deslocamento para o Centro ou para a Zona Sul em pelo menos uma hora diariamente. Tempo, vale ressaltar, jogado fora e que não pode ser recuperado.

Na próxima oportunidade vamos falar do gargalo (cruzamento) de Av. Raja Gabáglia e Av. Barão Homem de Melo, dando uma carona para a Rua José Rodrigues Pereira no bairro Buritis, o mais populoso da Capital, local onde ironicamente fica a sede da BHTRANS, cujos engenheiros devem chegar de helicóptero, só pode. A coluna vai trazer para debate alguns pontos que todo mundo enxerga, mas que parecem desconhecidos para os técnicos da SUDECAP e da BHTRANS.

José Aparecido Ribeiro
Jornalista
Blogueiro no portal uai.com.br
Portal osnovosinconfidentes.com.br
Articulista nas revistas: Exclusive, Minas em Cena, Mercado Comum e Entre Vias
DRT 17.076-MG – jaribeirobh@gmail.com
31-99953-7945

8 thoughts on “Gargalos de BH: Pedro II com Anel Rodoviário, caos diariamente

  1. Gostaria que falasse sobre compartilhamento de pista EXCLUSIVA do BRT por viaturas, ambulancias, carros oficiais e principalmente por TÁXIS, coisa que o Kalil, “QUE NÃO É POLÍTICO”, mas que faz política o tempo todo.
    Gostaria ainda que falasse sobre a IGNORÂNCIA de se permitir a instalação de QUEBRA MOLAS em vias onde trafegam os veículos articulados do BRT, como por exemplo as Av Padre Pedro Pinto e Av Vilarinho, coisa que causa grande desconforto ao usuário, atrasa a viagem e aumento o custo de manutenção dos veículos.
    Att:

  2. A trincheira não seria uma das opções a se pensar, haja visto que as duas avenidas possuem córregos canalizados, uma outra opção seria a construção de alças nas laterais dos viadutos ligando assim as marginais, pois quem vem sentido Pampulha pela marginal, tem que atravessar a Pedro II para continuar a viagem pela marginal.

  3. Excepcional artigo!!
    Não domino os termos técnicos citados por você. Mas sou uma das vítimas da incompetência e insensatez dos que nos governam.
    Na definicao de gargalo diz que “…o trânsito é interrompido sempre nos mesmos horários “. Sendo assim , pemso que teremos que utilizar outro terno ao nos referirmos no que ocorre no encontro da Av.Pedro II com o Anel Rodoviário.
    Eu sou moradora do Castello, um dos bairros citados e não arrisco “cair ” no anel em nenhum horário do dia. Por diversas vezes em horários distintos fiquei presa no mesmo, aumentando o meu tempo de deslocamento em até 1:30h… Se estava indo para um compromisso o perdia. Se eu estava retornando para um descanso merecido e afazeres em casa, tive meu tempo bastante comprometido.
    A Av.Pedro II da mesma forma está intransitável.
    O trânsito de BH piora visivelmente a cada dia… Onde vamos parar? Aliás a cidade está parada!!.(NÓS estamos parados).
    Eu que adoro dirigir, tenho sentido muito desânimo de encarar o trânsito caótico de BH.
    Ao sair de casa, obrigatoriamente, tenho lançado mão de um aplicativo que oferece com eficiência informações sobre as rotas em tempo real (por exemplo onde há engarrafamentos), otimizando assim o meu dia.
    Te parabenizo mais uma vez por ser porta voz de uma populcao sofrida, indignada e omissa.

  4. Muito interessante a matéria.
    Aquela região precisa mesmo de obras e mudanças, como várias outras da Capital.
    Uma hora o colunista deveria falar do estacionamento rotativo no centro e em algumas regiões da Capital.
    Apenas um exemplo:
    Como podemos aceitar ter lógica a existência de estacionamento rotativo nos dois lados das ruas Paracatu e Araguari, no Barro Preto? São dois importantes corredores de ligação das avenidas Cristiano Machado/Antônio Carlos com a Av. Amazonas. Constantemente estão engarrafadas por conta dessa falta de visão dos responsáveis pela administração do trânsito da cidade.
    Não podemos esquecer que o responsável pela BHtrans é o prefeito.

  5. Lembrando que a trincheira da av PedroII já estava pronta, feita pela própria natureza. Aí vem um engenheiro preguiçoso e inútil e manda aterrar tudo e colocar um sinal na marginal do anel. Parabéns, hoje o engarrafamento chega até a av catalão.

  6. Inacreditável tivemos um vice presidente mineiro que nada fez por Minas Gerais aliás foi o tempo que tínhamos políticos expressivos no cenário nacional. Só existem os estados do Rio e São Paulo para os políticos do Brasil. Lá vem filho de ex. Vice que nada fez por nós candidatar a vice. 5

  7. Por que você insiste culpar funcionários de estatais quando a culpa deveria recair no prefeito? As decisões vêm de cima. Você sabe disso, tanto que mencionou a mediocridade dos políticos. Direcione suas críticas a quem tem responsabilidade de fato! O prefeito! Esse é quem determina tudo. Para baixo, o resto obedece, mesmo quando é pedido “megaburrices”. Você que gosta tanto de um viaduto, põe na conta do ex-prefeito, agora pretendente a governador. O poder é bom mesmo! Até outro dia um Zé Ninguém como aquele foi alçado a prefeito de BH e agora não quer “largar o oss”. Não desiste por nada de ser governador. E olha que o Estado está quebrado. Imagina se não tivesse!

  8. Caro José Aparecido,

    Concordo em gênero, número e tomo a liberdade de aumentar o grau:
    desde que a visão medíocre de fazer de BH uma “grande cidade do interior” contrapondo a visão cosmopolita da metropole que já começou no nome da altarquia que era Metrobel e Transmetro para BHtrans com a clara redução da amplitude de ação.

    A partir de então eles, os medíocres, começaram a estreitar vias, impedir estacionamentos verticais e criaram o rotativo, esta então a grande ignorância de obstrução das vias. Quando a idéia deveria ser a cada 2 quarteirões ter um edifício garagem, com manobristas, o que além mais receita para o município através do ISSQN, ainda seria de custo acessível por distribuir para todos (quanto mais usuário mais barato) e seria inadmissível estacionar carro nas vias, aumentando uma, e em alguns casos, até duas pistas livres para rolamento e melhor fluxo dos transporte coletivo.

    Estes mesmos medíocres fizeram uma trincheira na Av. Antonio Carlos com Av. Santa Rosa que você vai de nenhum lugar a lugar nenhum como eu costumo dizer porque o certot teria sido pegar a Av. Abraão Caram até a Lagoa já naquela época sem precisar dos remendos viários posteriores.

    Este exemplos são esclarecedores de como isto se espalhou medíocre por toda a cidade.

    Urge um novo visionário como Juscelino que em 1950, serpenteou a Av. Afonso Pena/Av. Antonio Carlos, até a Lagoa, com canteiros centrais largos prevendo a expansão que houve, aliás vale ressaltar que prefeitos medíocres não respeitaram isto na aV. Antoni Carlos até o anel rodoviário o que também causou necessidades de ampliação para que hoje voltasse a ter o leito por ele previsto em 1950.

    O político Aécio Neves, hoje um autoproscrito (ele mesmo se matou como político verborragicamente), quando governador deu uma pequena amostra de como a cidade deveria ter sido governada sempre ao facilitar o acesso a Confins, antes entregue às moscas, hoje precisando estacionar 3 km antes…

    Somos, ou melhor, deveríamos ser uma Metrópole.

    Falta esta convicção na população e nas “Otoridades” atuais.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.