Minas perde o Ministério dos Transportes, mas não perde a esperança.

A Presidente Dilma mais uma vez mostrou-se insensível com as demandas de Minas Gerais. Ninguém imaginava que o Ministério dos Transportes fosse parar nas mãos de um baiano, o ex-governador e vice presidente do Banco do Brasil, Cesar Borges. O Estado merecia um pouco mais de atenção da conterrânea, haja visto que aqui está a maior e também a pior malha rodoviária do País.

 

Se não bastasse, o episódio revela uma bancada federal fraca e desarticulada. Quase todos, pensando nos próprios umbigos, incapazes de perceber o tamanho e a urgência do problema. Teria sido o momento de deixar as cores e os interesses partidários de lado e agir em bloco. Não fizeram e o Ministério dos Transportes foi para a Bahia. O Estado não poderia jamais ter sido preterido nesta demanda pela Presidenta, que se diz mineira.

 

Ela perdeu a grande oportunidade de mostrar que tem algum afeto pela terra natal. Vale lembrar que até agora as promessas de campanha não foram cumpridas. Sucessivos cancelamentos de editais de licitação para duplicação de estradas importantes como a BR 381, mostra que o tema não faz parte da agenda de prioridades do governo federal e está sendo conduzido por pessoas que não conhecem a urgência e nem tampouco a emergência do problema. Não custa lembrar também que o governo do Presidente Lula, que é Pernambucano, deu a Minas, além da Vice-Presidência da  República, 5 Ministérios, em 8 anos de governo.

 

Se a Presidente quisesse, além da pasta da Agricultura e do Desenvolvimento, Indústria e Comércio, comandadas pois dois excelentes representantes, ela poderia também ter permitido a um Mineiro o comando do Ministério dos Transportes. Não faltam nomes preparados para isso na base aliada do seu governo, inclusive Deputados Federais com qualificação que pertencem ao PR, que tem o comando do Ministério desde o início do governo do PT há 10 anos, indivíduos sensíveis e que conhecem os dramas da malha federal do Estado.

 

Lembro de rodovias importante para o País que tem seus gargalos aqui: BR 381, BR 040, BR 116, BR 262 e outras, além do Rodoanel, do Anel Rodoviário de BH que por vezes ocupa o noticiário nacional com tragédias. Por aqui passam as riquezas que são transportadas sobre rodas. Aqui também fica uma das piores estruturas do DNIT, a que mais deixa a desejar em tamanho e atuação.

 

Portanto, Presidente Dilma, V.Exa decepcionou os Mineiros e deixou de fazer  justiça. Seu gesto de dar a pasta dos Transportes para outro Estado seguiu a lógica pragmática e imediatista da política, não considerou as vidas inocentes que todos os dias são ceifadas em nossas “rodovias da morte”. Permitiu ao Sr. Valdemar da Costa Neto, selar o futuro das rodovias que cortam Minas, o Estado que está registrado em sua Certidão de Nascimento. Por isso, fica o nosso protesto e a esperança que Sra. tenha sensibilidade e possa corrigir em tempo este erro que vai custar caro ao povo Mineiro.

 

José Aparecido Ribeiro

Consultor em Transito e Assuntos Urbanos

Presidente da ONG SOS Rodovias Federais.

Presidente do Conselho Empresarial de Política Urbana da ACMinas

CRA MG 0094 94

31 9953 7945

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.