O que dirá o prefeito de BH em seu discurso de reabertura depois de quebrá-la? Fácil deduzir

Não tenho bola de cristal, mas não é difícil prever o que vai falar o prefeito de Belo Horizonte logo mais às 14h desta sexta-feira (29) em coletiva de imprensa onde só ele usa a palavra, os espectadores e a mídia obedecem, sem questioná-lo, afinal o rei falou os súditos e os fornecedores se calam. Entende-se por fornecedores os propagandistas que ao lado dos ativistas da medicina, sustentam a farsa que levou BH para o limbo da falência e da mediocridade.

Alexandre Kalil apresentará taxas de ocupação “toleráveis”, essa que ninguém nunca tinha ouvido falar no sistema de saúde da capital, ainda que autoridades algum dia tenham se preocupado com ela. Na verdade a taxa de ocupação de leitos para tratamento da população no dia a dia sempre foi alta e nunca foi mencionada. Colapso no sistema sempre existiu, e são corriqueiros, não sensibilizam mais. Quem não tem plano que se dane, esta é a lógica do mercado da saúde. A propósito, por onde andam os 178 leitos de UTI retirados do sistema para justificar Decreto de Emergência?

O choro do malandro

Kalil vai chorar na frente dos holofotes da imprensa, vai dizer que está muito preocupado com o comércio da capital, com os empregos, mas que saúde é mais importante e seu compromisso é com ela, com quem mais precisa, é para eles que ele governa. Vai dizer com a sua cara de pau de sempre que segue a ciência, ainda que a sua não considere mortes por depressão, desalento, fome ou suicídios.

Vai dizer que por ser um governante benevolente, e com aquiescência do Comitê do Covid comandado por petistas, vai a partir do dia 1 de fevereiro, deixar o povo voltar ao trabalho e o empresariado juntar os cacos do que sobrou, se ainda sobrou cacos do que resta de pé. O fato será repercutido nos jornais, sites, TVs e revistas amigas, que já estarão preparados para mudar o discurso, maceteando na cabeça do povo que daqui para frente tudo dependerá dele e do bom comportamento. Assim todos devem ser patrulheiros do Prefeito, afinal a causa é justa.

Se todos cumprirem com os protocolos que até um bebê de colo já sabe, mas que os âncoras obedientes e abonados repetem insistentemente como um mantra, nossa bela e destruída cidade começara a andar, afinal o carnaval está chegando e é ele que justificará a quarta onda e um possivel o próximo lockdown, empurrando mais um pouco o Decreto de Emergência. Embora abatido, “triste”, sem tomar banho e com a barba por fazer, o prefeito se apresentará em tom mais amistoso, gritando menos, afinal o que está em jogo é a imagem do líder, ainda que seja no modelo ditador “bonzinho”.

Ditadores batem e assopram na medida certa, e nenhum outro incorporou a figura do “líder” benevolente tinhoso, que fala a língua do povo, preocupado com a saúde e o bem estar da população, do que Alexandre Kalil. Para o povo, seu líder é infalível caminha no rumo certo, e por isso as rédeas precisam continuar curtas, tem a seu lado o aval da ciência e uma imprensa a serviço da causa, ao custo de R$47 milhões. A Câmara Municipal? Não precisa dizer, é um mero puxadinho do eficiente gabinete do prefeito, de cócoras, obediente e subserviente.

A lógica que convém

Portanto, preparem para a nova fase que começa com a flexibilização seletiva de dias e horários, como se o vírus atacasse dia sim, outro não; durante o dia não, à noite sim. Na Zona Norte em determinados horários, e na Zona Sul em outros. A lógica do vírus no entendimento do prefeito e seu bando são as que lhes convém.

A partir da próxima semana a coleira será afrouxada, mas se o cãozinho não for obediente, ela volta a ser arrochada, sempre com o aval dos veterinários de plantão (Comitê Gestor do Covid-19), que levam no sobrenome a marca dos interesses que de fato representam, e que de longe é a saúde do povo. Haja obediência cega!

José Aparecido Ribeiro é jornalista independente em Belo Horizonte

Contato: jaribeirobh@gmail.com – WhatsApp: 31-99953-7945 – www.zeaparecido.com.br

Este blog não recebe verbas públicas para se manter, por isso necessita de doações e anúncios. Ajude a mantê-lo autônomo.

7 thoughts on “O que dirá o prefeito de BH em seu discurso de reabertura depois de quebrá-la? Fácil deduzir

  1. Só tenho medo que nas eleições pra governador essa “coisa” se eleja tb. Surreal, mas diante da reeleição pra prefeitura nada mais me surpreende.

  2. ” ESTÁ TUDO COMO DANTES NO QUARTEL DE ABRANTES”, parece que esta frase histórica,se faz presente em muitos lugares

  3. Tenho nojo desse prefeito e de todos que o seguem. Se ele se preocupa tanto com o povo…por que não doa seu salários para os que perderam seu ganha pão?
    Afinal já recebeu tanto dos cofres públicos.

  4. Parabéns José Aparecido conseguiu dar voz aos pequenos empresários tão judiados por estes que estão gestores. Diferente de nós cidadãos, trabalhadores, empregadores, pagadores de impostos, esta monarquia avassaladora da esquerda sequer preocupa com a saúde e muito menos com a economia. Querem o Estado forte e seus vassalos dependentes para tomar um copo d água. Isto é ruim, somos pela liberdade de escolha. Pessoas que conseguem colocar um codinome do ex presidiário em seu nome, com uma falta de personalidade tamanha são os que ditam regras e se dizem democratas. Tudo errado na frente do front.

  5. Excelente artigo. Parabéns. Falou tudo.
    Só não qualificou o nosso tiranete de plantão, o safado kalixo tranca ruas por motivos óbvios. Mas nesse despretensioso comentário eu coloco seus adjetivos pertinentes.

  6. Enquanto os psicopatas permanecerem no poder o povinho será subserviente e nessa caminhada tudo vai se afundando exatamente como convém a essa corja que defende a social democracia, esses seguidores que pateticamente o seguem e o servem estão felicíssimos com a desgraça de sua cidade natal, infelizmente.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.